Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeNOTÍCIASSOCIEDADECaso Konda Marta: vários camponesas e seus filhos levados em parte incerta...

Caso Konda Marta: vários camponesas e seus filhos levados em parte incerta pela PN de Talatona

A Polícia do Comando Municipal do Talatona está a ser acusada de ter detido na manhã desta quinta-feira, 16, camponesas que terão sido levadas a parte incerta, na sequência de demolições de um muro de vedação feito pela empresa “Konda Marta”.

Fonte: Rádio Angola

O conflito fundiário entre supostas altas patentes da Polícia Nacional, Forças Armadas Angolanas e a Sociedade Konda Marta, na área do 11 de Novembro, no Distrito Urbano da Cidade Universitária, no município do Talatona, em Luanda, parece estar longe do fim.

Em causa está a disputa pela titularidade de vários hectares de terrenos, que a empresa Konda Marta alega ser sua propriedade e que estão a ser usurpados por oficiais superiores, que usam o nome Estado e suas instituições mediante a força para satisfazer os interesses pessoais.

Relatos avançados a este portal dão conta que, por voltas das 5h00, desta quinta-feira, 16 de Maio, o recém-nomeado chefe da Fiscalização do Talatona, Hélder Trindade, suposto sobrinho do ministro do Interior, Eugénio César Laborinho, surpreendeu as camponesas e destruiu o muro de vedação de uma parcela controlada pelas camponesas.

Segundo os factos colhidos no local, o Chefe da Fiscalização, Hélder Trindade, esteve protegido por três patrulhas do Comando Municipal do Talatona, alegadamente orientados pelo Comandante Provincial de Luanda, Francisco Ribas.

“Começaram a demolir a vedação das camponesas, mas graças a pronta intervenção das camponesas que lutaram com as forças amando do comandante provincial da polícia nacional, que quebraram o vidro de uma das partilhas e o trator a polícia nacional, tendo de seguida se colocado em fuga”, contou um dos camponeses.

No local, os agentes da Polícia Nacional detiveram duas camponesas, situação que provocou o sentimento de revolta das demais camponesas, que momentos depois se dirigiram à sede da Administração do Distrito da Cidade Universitária.

Os efectivos voltaram a usar a força e dispersaram os descontentes com gás lacrimogêneo. “Dentro da Administração agrediram dois filhos de camponesas levando-os para área incerta”, acrescentou a fonte