Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeNOTÍCIASSOCIEDADEHomicídio frustrado por vizinhos no Cazenga

Homicídio frustrado por vizinhos no Cazenga

Quando se separou da esposa, há oito anos, os cinco filhos ficaram entregues à sua sorte, com o progenitor a recusar-se a prestar assistência alimentar, mas agora, se vê pressionado a cumprir essa obrigação.

RITUAIS DE BRUXARIA PRESSÃO DOS FILHOS DR

UM JOVEM de 38 anos, residente na rua da Praça da Pedra, município do Cazenga, foi preso por efectivos da Polícia Nacional, pela tentativa de homicídio da sua própria mãe de 62 anos. O incidente ocorreu durante a madrugada de segunda-feira, quando o agressor, por recomendação de um curandeiro, decidiu tirar a vida da progenitora com intuito de prosperar na vida.

Isabel de Sousa, neta da idosa, disse ao Jornal Metropolitano de Luanda que o facto ocorreu por volta das 6h00, quando um vizinho que se dirigia à residência da sexagenária para compra de carvão, ouviu gritos incessantes de socorro e imediatamente correu em direcção à casa da neta para explicar o sucedido.

Ao chegar à casa da avó, mais concretamente ao quarto, Isabel de Sousa deparou-se com o tio a arrastar a idosa de 62 anos, do quarto desta para a sala, com a finalidade de concretizar o homicídio. Estupefacta com o sucedido, a neta decidiu clamar por socorro, ao que foi pedido prontamente atendida.

Apanhado em flagrante pela sobrinha, indagado pelos familiares e alguns moradores da rua da Praça da Pedra, município do Cazenga, o suposto homicida revelou que a acção é resultado da orientação do curandeiro, que lhe tinha incumbido a missão de cortar a cabeça da mãe, os dedos e arrancar o seu coração.

“Por volta das 6h00, o vizinho dirigiu-se até à casa da minha avó, para comprar carvão. O mesmo deparou-se com o meu tio a arrastar a velha na sala a gritar por socorro. Este, assustado como que viu, correu até à minha casa e alertou-me sobre o estava a acontecer. Imediatamente, dirigimos casa da anciã e comprovamos a denúncia”, referiu Isabel de Sousa.

Segundo a neta, depois de uma “caça ao homem” pelo bairro, o suposto homicida, identificado por Toí, entregou voluntariamente ao posto policial, localizado nas imediações da Escola 8.

Neste momento, ao suposto homicida, foi-lhe decretado prisão preventiva pelo juiz de garantia.

Fontes familiares revelaram ao Jornal Metropolitano de Luanda que a anciã se encontra internada numa unidade hospitalar, mais concretamente na Unidade de Cuidados Intensivos (UTI), por conta das lesões no crânio e em diferentes partes do corpo, resultantes do espancamento com objectos contundentes.

“Operação Paz” desmantela grupos de marginais

FERIADO PROLONGADO

O COMANDO Provincial de Luanda da Polícia Nacional realizou, entre os dias 3 e 7 deste mês, uma micro-operação denominada “Operação Paz”, cujo resultado foi o desmantelamento de oito grupos de supostos marginais, em diversos bairros da cidade de Luanda.

Num pronunciamento efectuado, durante a apresentação da operação, o porta-voz da Polícia em Luanda disse que as operações foram realizadas em todos os municípios da capital e permitiram a detenção de 284 supostos criminosos, acusados de cometerem crimes diversos.

Nestor Goubel explicou que os grupos desmantelados praticavam o crime de rixa na via pública, com recurso a objectos contundentes e muitos casos terminavam em mortes e pessoas feridas. As acções da corporação, referiu, permitiram, também, apreender 11 armas de fogo, do tipo AKM.

Durante o balanço referente ao feriado prolongado, o Serviço de Investigação Criminal de Luanda (SIC) deteve 19 cidadãos, acusados dos crimes de tentativa de arruaça, desacato à ordem de dispersão e tráfico de arma de fogo, disse, ontem, o porta-voz em exercício da corporação.

Emanuel Capita informou que os cidadãos tentaram realizar uma manifestação, não autorizada, defronte ao Comando do Exército, a exigir explicações da não inclusão nos quadros da Polícia Nacional.