Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeNOTÍCIASSOCIEDADEIgrejas servem de palcos sexuais falsos pastores e líderes religiosos escondem-se nas...

Igrejas servem de palcos sexuais falsos pastores e líderes religiosos escondem-se nas vestes de “bons samaritanos”

Igrejas em Luanda transformadas em palco de abusos sexuais e que quanse falsos pastores vestem-se de bons samaritanos e fazem cada vez mais vítimas, abusando sexualmente das fiéis, dentro e fora da igreja. Aquelas que procuram resolver os seus problemas espirituais na igreja estão a ser ludibriadas e a sair destas com mais problemas. O MASFAMU, o MININT e os psicólogos lutam para que estas pessoas sejam desmascaradas e não façam mais vítimas.

O escândalo sexual tomou conta da Igreja Pentecostal Renascer em Cristo Jesus, no bairro Seis Cajueiros, em Viana, quando três mulheres, em Março de 2023, decidiram vir a público denunciar, na TV Zimbo, os abusos sexuais que sofreram por parte do líder religioso.

As mulheres, que estavam com problemas de vária ordem, como “infecção que não curava”, “estar a ver espíritos”, entre outros, viram a igreja como o local certo para a solução. Entretanto, conversas de sexo, pedido de beijos nas crentes e tentativa de estupro fizeram com que as jovens desconfiassem das intenções do pastor, a quem chamam de “papá”.

Partilharam a informação com as outras jovens da igreja e tomaram conhecimento de que existiam outras vítimas, inclusive de alguém chegou a ficar grávida do pastor e obrigada a abortar a gravidez. O caso espoletou uma reunião com os demais líderes da igreja, que não ficaram surpresos porque sabiam que o “papá” tinha tais desvios.

Casos como estes se tornaram comuns em muitas igrejas e ceitas religiosas, como nos confirmou a directora nacional para Equidade e Igualdade do Género do Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), Conceição Nhanga, tendo acrescentado que o número é maior nas ceitas, e são cobertos de complexo, uma vez que na maior parte dos casos são os próprios membros a protegerem o agressor.

O Centro de Aconselhamento Familiar de Referência, um órgão do MASFAMU, onde registam todo o tipo de violência doméstica, e não só, tem anotado as violações sexuais a nível das igrejas e ceitas também. Embora não tenham o registo do número específico de casos, uma vez que juntam todos os tipos de violência, quando recebem, e encaminham para os parceiros como a Polícia ou o Serviço de Investigação Criminal.

Com o Jornal O País