Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Amnistia Internacional exige respeito ao direito de protestos em Luanda

A Amnistia Internacional lembra que as autoridades angolanas devem respeitar os direitos dos manifestantes em Luanda durante a manifestação prevista para 22 de junho...
HomeMUNDOEspanha: Vice-presidente do Governo demite-se da liderança do Sumar

Espanha: Vice-presidente do Governo demite-se da liderança do Sumar

Yolanda Díaz formalizou, desta forma, a sua renúncia ao cargo de coordenadora geral do partido, depois de ter sido eleita para o cargo em março, assumindo a derrota na primeira pessoa nestas eleições europeias.

Lusa

A segunda vice-presidente do governo em Espanha, Yolanda Díaz, anunciou esta segunda-feira sua renúncia à liderança do Sumar, partido político espanhol de esquerda que ficou em quinto lugar em Espanha nas eleições europeias de domingo.

Após uma reunião do executivo do Sumar, que durou mais de três horas, Yolanda Díaz, a número três do governo espanhol e ministra do Trabalho e Economia Social, anunciou que iria abandonar o cargo de líder do Sumar, numa declaração pública via ‘streaming’, citada pela Europa Press e pelo El Confidencial.

Yolanda Díaz formalizou, desta forma, a sua renúncia ao cargo de coordenadora geral do partido, depois de ter sido eleita para o cargo em março, assumindo a derrota na primeira pessoa nestas eleições europeias.

Os resultados desastrosos das eleições abriram uma crise na coligação de esquerda, com vozes críticas no partido Más Madrid, como por exemplo o líder Eduardo Fernández Rubiño, que exigiu assumir a responsabilidade na liderança do Sumar.

O Partido Socialista do primeiro-ministro Pedro Sánchez conquistou 20 lugares nas eleições europeias, cujos resultados estão alinhados com os das eleições legislativas de julho.

Naquela ocasião, o PP ficou em primeiro lugar, mas não conseguiu assumir o poder devido à falta de apoio no parlamento. Pedro Sánchez ficou em segundo lugar e conseguiu manter-se no poder com o apoio da extrema esquerda e dos partidos regionalistas.

Este domingo, a formação de extrema-direita Vox melhorou a sua pontuação em relação a 2019, ao conquistar seis lugares no Parlamento Europeu, em comparação com quatro lugares de há cinco anos, enquanto uma nova formação classificada como de extrema-direita e fundada por um ‘youtuber’ polémico, “O partido acabou”, entrou em cena ao conquistar três lugares.