Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeECONOMIAEUA quer "relação económica saudável" com Pequim -- Secretária do Tesouro

EUA quer “relação económica saudável” com Pequim — Secretária do Tesouro

A Secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, garantiu hoje que Washington quer forjar uma “relação económica saudável” com Pequim, numa reunião com líderes empresariais norte-americanos estabelecidos em Cantão, no sudeste da China.

EUA quer

Durante o encontro, Yellen sublinhou a intenção dos Estados Unidos de trabalhar com a China para alcançar uma relação que garanta condições iguais para os trabalhadores e empresas norte-americanas.

De acordo com um comunicado, a dirigente destacou a importância de uma comunicação “franca e aberta” com a China para atingir este objetivo.

A secretária reuniu-se com representantes empresariais dos Estados Unidos, União Europa e Japão, que expressaram “preocupações” sobre o excesso de capacidade industrial da China em determinados setores.

De acordo com o Departamento do Tesouro, durante a visita à China, Yellen pretende abordar com representantes do governo chinês “práticas comerciais injustas” e, em particular, destacar “o impacto da sobreprodução chinesa na economia mundial”.

A dirigente iniciou na quinta-feira a segunda visita à China em menos de um ano, que decorre até 09 de abril.

Yellen vai reunir-se em Cantão, com o vice-primeiro-ministro He Lifeng, antes de voar para Pequim, onde se vai encontrar com o seu homólogo Lan Fo’an, com o primeiro-ministro Li Qiang e com o governador do banco central Pan Gongsheng.

A visita ocorre apenas oito meses após a anterior deslocação ao país, que ajudou a estabilizar uma relação conflituosa entre as duas maiores economias do mundo, nomeadamente através da criação de grupos de trabalho bilaterais dedicados a questões económicas e financeiras.

Washington está particularmente preocupado com o aumento das exportações chinesas a baixo custo em setores como veículos elétricos, baterias de iões de lítio e painéis solares, o que pode impedir a formação de uma indústria norte-americana nestas áreas.

No final de 2023, Janet Yellen garantiu que Washington vai continuar a exigir maior clareza na política económica chinesa, avisando que a China era “demasiado importante para construir o seu crescimento com base nas exportações”.

Na quarta-feira, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, disse que a China espera que a visita de Yellen sirva para “construir consensos” com os Estados Unidos e que Washington esteja “disposta a trabalhar com Pequim para chegar a um meio-termo”.

A visita surge depois de o Presidente dos EUA, Joe Biden, e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, terem falado na terça-feira, numa chamada telefónica que a Casa Branca descreveu como franca, mas na qual, segundo o Governo chinês, houve alguma fricção.

VQ (JPI) // VQ

Lusa/Fim