Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeMUNDOMarcelo reconhece “sacrifício” em indigitar Montenegro de madrugada, “mas foi ele que...

Marcelo reconhece “sacrifício” em indigitar Montenegro de madrugada, “mas foi ele que pediu”

O Presidente da República disse que “não fazia sentido” adiar o convite para amanhã, porque era importante que o líder do PSD fosse a Bruxelas já na qualidade de primeiro-ministro indigitado.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reconheceu, esta quinta-feira, que “foi um sacrifício” indigitar Luís Montenegro como primeiro-ministro de madrugada, mas salientou que “foi ele que pediu”. “É um sacrifício, porque ele partiu de Lisboa à uma da manhã para o Porto, onde foi apanhar o avião para Bruxelas, que era o único avião”, detalhou.

Porém, destacou a importância de acelerar o processo de indigitação, tendo em conta os compromissos de Montenegro em Bruxelas já esta manhã. “Era importante para o país que o primeiro-ministro indigitado para formar Governo participasse já hoje, em Bruxelas, nessa qualidade, nas reuniões com o primeiro-ministro ainda em funções, era importante que se encontrasse com a presidente da Comissão Europeia, com os membros do PPE, que irão estar amanhã no Conselho Europeu com temas muito pesados, como a Ucrânia, o Médio-Oriente, a abertura do caminho para negociações com vários países de leste da Europa”, justificou o Chefe do Estado. E concluiu: “Não fazia sentido que amanhã fosse indigitado, estando em Bruxelas”.

No final da audiência com o Presidente da República, já depois da meia-noite e meia desta quinta-feira, que serviu para indigitar Luís Montenegro, o próprio já tinha assumido o sacrifício: “Era inevitável e útil participar nessa reunião” com o PPE “já na condição de primeiro-ministro indigitado”.