Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Projeto Político Partido Liberal

Projeto Político Partido Liberal A Juventude Africana como Protagonista do Futuro do Continente. Em um dia como hoje, celebramos o Dia da África, uma data de...
HomeECONOMIAAutossuficiência alimentar das Forças Armadas Angolanas conta com apoio técnico do Grupo...

Autossuficiência alimentar das Forças Armadas Angolanas conta com apoio técnico do Grupo Carrinho

Empreendimento sob gestão das Forças Armadas Angolanas, que substituem o Fundo Soberano, recebe assistência técnica especializada e meios do Grupo Carrinho numa fazenda bem equipada em infra-estruturas, produção para o salto em direcção à autossuficiência no milho, feijão e trigo.

Unidades militares e complexo industrial da Carrinho contarão com grãos produzidos na província do Bié, caminhada rumo à revolução começando com três mil hectares, pouco mais de 30 por cento da área total.

Daqui a duas semanas, na pior das hipote-ses, arranca a colheita de feijão na fazenda agro-industrial «Embala Umbu», município de Camacupa, província do Bié, agora com uma assessoria que prevê técnicas e uso de fertilizantes para assegurar maior produção agrícola e assegurar técnicas de cultivo para uma produção em alta, principalmente em matéria de grãos, soube o NJ.

Enquanto é preparada a colheita de cinco mil toneladas de feijão, numa parcela de um dren com 1000hactsrac dacermonlon.

Trabalham a terra nesta nova versão da fazenda agro-industrial.

“Já não temos falta de adubos, sementes e assistência técnica”, assinala, sem nunca ter perdido o foco. A meta passa muito por garantir alimentos para as unidades militares do País.

São mais de 70 homens imbuidos nesse Espirito, o de produzir para alimentar a unidade de transformação ali existente.

A fazenda encravada entre montanhas e rios possui 4 silos para o armazenamento de produtos com capacidade para 20 mil toneladas.

O gestor de produção, Mateus Ferreira, explica, no resumo do essencial da assessoria, que está a ser passada a mensagem de como usar o fertilizante nos momentos de plantio.

“Estamos a orientar, a fazer ajustes para melhorar a produção”, sublinha, ao assinalar que o feijão começa a ser colhido em 120 hectares já disponíveis”, disse.

A fazenda tem dez mil hectares, albergando comunidades que possuem pequenas lavras, mas apenas 3 mil são agricultável.

“Este enorme espaço precisa de um trabalho de desmatação. Neste exacto momento, há uma média de mil hectares para cada uma das três culturas eleitas, o feijão, o trigo e o milho, que é a principal”, indica o engenheiro agrónomo.

Já o CEO da Carrinho Agri, David Maciel, reforça que o contrato com as Forças Armadas Angolanas é um desafio que coloca à prova a capacidade do Grupo em termos de produção e revolução agrícola no país.