Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeMUNDOQuatro conclusões a retirar das eleições legislativas francesas

Quatro conclusões a retirar das eleições legislativas francesas

Eis algumas das principais conclusões das eleições legislativas antecipadas em França. Pela segunda vez, em menos de um mês, a coligação centrista do Presidente francês Emmanuel Macron sofreu um duro golpe, desta vez, no domingo, pelo Rassemblement National (RN) de extrema-direita que garantiu a primeira posição na primeira volta das eleições legislativas antecipadas do país.

Macron dissolveu a Assembleia Nacional e convocou eleições antecipadas para 9 de junho, depois de o RN ter vencido as eleições europeias, obtendo mais do dobro dos votos da coligação centrista de Macron.

A decisão de Macron de convocar as eleições foi descrita pelos comentadores como um estratagema que lhe poderia garantir a maioria absoluta, perdida há dois anos, ou como uma aposta perigosa que poderia levar a extrema-direita a liderar um governo pela primeira vez no país.

A extrema-direita obtém ganhos históricos

O Rassemblement National (RN), liderado por Jordan Bardella, de 28 anos, parece ter cimentado a sua posição como a principal força política do país, ao assegurar mais de 33% dos votos a nível nacional.

Se o resultado se confirmar no próximo domingo, 7 de julho, na segunda volta, o partido poderá obter entre 230 e 280 lugares – apenas nove lugares a menos do que a maioria absoluta.

Bardella prometeu, no domingo, ser “o primeiro-ministro de todos os franceses; respeitoso da oposição, aberto ao diálogo e sempre preocupado com a unidade do povo”, ao mesmo tempo que criticou a aliança de Macron e a Nova Frente Popular, de esquerda.

A segunda volta, acrescentou, será “uma das votações mais decisivas da história da Quinta República”.

Os ganhos da extrema-direita na primeira volta marcaram um desempenho histórico para o partido numa eleição legislativa.

Em 2017, a então chamada Frente Nacional obteve 13% dos votos na primeira volta e, em 2022, 18% dos votos.

“O que vemos é que as pessoas já não têm vergonha de votar no Rassemblement National”, afirmou Tara Varma, membro visitante da Brookings Institution, em Washington DC, à Euronews. “Não só já não têm vergonha de o fazer, como também já não têm vergonha de o dizer.”

O cenário em que o RN ganha a maioria absoluta no Parlamento pode não ser o “mais provável”, mas não pode “estar excluído.”

A grande derrota de Macron

Três semanas depois de sofrer uma derrota esmagadora nas eleições europeias, a coligação centrista de Macron, Ensemble, sofreu outro golpe devastador ao ficar em terceiro lugar com apenas 21% dos votos a nível nacional.

São, respetivamente, 12 pontos e sete pontos abaixo da coligação de extrema-direita RN e da coligação de esquerda Nova Frente Popular (NFP).

Cerca de 300 dos seus candidatos ainda estão na disputa por um lugar no hemiciclo de 577 lugares. Mas se o resultado da primeira volta se confirmar no próximo domingo, isso poderá significar que a coligação centrista poderá perder até 180 lugares e manter apenas entre 70 e 100 deputados.

Desde que nenhuma outra aliança obtenha a maioria absoluta, Macron poderá, em teoria, tentar formar uma coligação governamental, mas isso pode ser uma tarefa difícil.

O Presidente francês Emmanuel Macron sai da cabina de voto em Le Touquet-Paris-Plage, no norte de França, no domingo, 30 de junho de 2024
O Presidente francês Emmanuel Macron sai da cabina de voto em Le Touquet-Paris-Plage, no norte de França, no domingo, 30 de junho de 2024 Yara Nardi, Pool via AP

O campo presidencial tem rejeitado repetidamente qualquer ideia de trabalhar com o partido de extrema-esquerda, La France Insoumise (LFI), tendo o próprio Macron afirmado que se o RN, ou o LFI, chegassem ao poder, isso poderia levar a uma “guerra civil.”

Os partidos que Macron poderá tentar reunir para uma coligação mais “moderada” incluem os Socialistas e os Verdes, à esquerda, e os Republicanos, à direita.

Mas não é claro se conseguirão encontrar uma base de negociação ou se terão em conjunto os 289 lugares necessários.

Poderá haver uma “frente republicana” contra o RN?

Poucos minutos depois de a sondagem à boca da urna ter mostrado o Rassemblement National, de extrema-direita, na liderança, os líderes políticos da esquerda começaram a apelar a uma chamada “frente republicana.”

Comprometeram-se a retirar os candidatos que ficaram em terceiro lugar, e que se qualificaram para a segunda volta, numa tentativa de evitar que o RN ganhasse lugares devido a uma divisão de votos entre os outros partidos.

O LFI, os socialistas, os Verdes e os comunistas, bem como alguns membros da coligação centrista de Macron estão a fazer o mesmo.

“Digo isto com toda a força que cada um dos nossos eleitores deve reunir. Nem um único voto deve ir para o Rassemblement National”, disse o primeiro-ministro Gabriel Attal no seu discurso de domingo.

Outros membros da coligação do Presidente apelaram aos seus eleitores para que não apoiassem os membros do LFI, afirmando que nem o RN nem o partido de Jean-Luc Mélenchon, que faz parte da coligação de esquerda, deviam receber um voto.

Para Mathias Bernard, especialista em história política francesa e presidente da Universidade de Clermont Auvergne, “as desistências ou, pelo contrário, as disputas triangulares são a chave da eleição.”

“Se cada um dos três blocos se apresentar sozinho na segunda volta, a RN poderá obter a maioria absoluta. Se houver uma espécie de «frente republicana será mais difícil para o RN”, disse o especialista à Euronews.

“No entanto, não é certo que essa «frente republicana» se concretize”, disse, apontando o Ensemble e os Republicanos como os dois partidos onde os candidatos que ficaram em terceiro lugar poderão resistir mais à desistência.

Manifestantes concentram-se na Place de la République, em Paris, no domingo, após a primeira volta das eleições legislativas.
Manifestantes concentram-se na Place de la République, em Paris, no domingo, após a primeira volta das eleições legislativas.

Elevada taxa de participação nas eleições antecipadas

O interesse pelo escrutínio convocado por Macron foi intenso, com vários eleitores a dizerem à Euronews, antes da votação, que estavam desiludidos com as políticas do Presidente e que queriam mudanças.

A afluência às urnas, que é frequentemente baixa em França, aumentou significativamente durante estas eleições.

Na primeira volta das eleições legislativas, de 2017 e 2022, a taxa de participação não atingiu os 50%, de acordo com os dados do Ministério do Interior. Na primeira volta deste escrutínio, a participação aumentou para 66,7%.

“A elevada taxa de participação e o menor número de candidatos conduziram a um número sem precedentes de disputas a três na segunda volta”, segundo Célia Belin, diretora do gabinete do Conselho Europeu das Relações Externas em Paris.

No entanto, a recusa da coligação presidencial em se retirar sistematicamente devido à presença de candidatos do LFI pode “aumentar a confusão dos eleitores anti-RN sobre a melhor forma de atuar”, afirmou.

Manon Aubry, deputada europeia de esquerda, disse aos jornalistas no domingo que encontrou muitos jovens eleitores pela primeira vez quando foi votar em Paris.

Esta mobilização, especialmente em bairros desfavorecidos, deve ser saudada e ampliada, afirmou.

Os resultados também deram origem a protestos no país, com milhares de eleitores de esquerda a reunirem-se contra os ganhos da extrema-direita.