Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeDESPORTOMbappé junta-se ao Real Madrid na transferência gratuita mais cara da História

Mbappé junta-se ao Real Madrid na transferência gratuita mais cara da História

É finalmente o fim da novela! Após meses de espera e anos de rumores, Kylian Mbappé está oficialmente a jogar pelo Real Madrid. Para citar Mbappé, como o próprio disse nas redes sociais, a mudança é “um sonho tornado realidade”.

 

O contrato do futebolista com os merengues começa a 1 de julho e vai até 2029, o que significa que pode agora deixar a tensão de lado e concentrar-se totalmente no seu papel como parte da equipa francesa no Euro 2024.

A transferência para o Real Madrid não surpreende, mas os pormenores financeiros do novo contrato só agora foram divulgados.

A Sky Sports referiu-se ao negócio como “a transferência gratuita mais cara da história”. Isto porque, teoricamente, quando o contrato de um jogador está a expirar, o clube que o quer comprar só tem de oferecer um novo contrato, mas não tem de pagar ao outro clube.

No entanto, no caso de Mbappé, a transferência vai custar muito dinheiro ao clube da capital espanhola.

Salários, bónus e patrocínios

O vencedor da Liga dos Campeões de 2024 terá de pagar um bónus de assinatura ao avançado de 25 anos, que a Sky Sports estima em 117 milhões de euros e a BBC em 150 milhões de euros. Kylian Mbappé, nascido em Bondy, perto de Paris, receberá sozinho a totalidade do montante, embora este deva ser faseado ao longo dos cinco anos de contrato.

A este valor acresce um salário anual de 15 milhões de euros, segundo as estimativas dos jornais espanhóis AS e Marca. É muito longe dos 70 milhões de euros que ganhava anualmente no PSG e muito menos do que ganham as outras cinco estrelas atuais do Real Madrid, o inglês Jude Bellingham, o belga Thibaut Courtois, a lenda croata Luka Modrić, o austríaco David Alaba e o brasileiro Vinícius Júnior, segundo informações da publicação suíça Blick.

Para explicar a discrepância, é preciso acrescentar os milhões do bónus de assinatura, mencionado acima, que eleva o salário de 15 milhões de euros para 35 ou 45 milhões de euros.

E depois há os direitos de imagem. De acordo com a imprensa espanhola, o campeão do mundo de 2018 manterá 80% dos direitos. A única outra estrela do Real a manter a maioria dos direitos de imagem foi Cristiano Ronaldo, em 2009 – os jogadores do Real costumam partilhar os seus direitos de imagem em partes iguais com o clube.

Além disso, o contrato prevê vários bónus em função do desempenho do jogador, dos troféus conquistados e do clube. Por último, mas não menos importante, o Real Madrid, o clube mais bem sucedido da Europa, oferece muito mais visibilidade e oportunidades de marketing do que França.

Kilian Mbappé e PSG: divórcio completo?

Na terça-feira, 28 de maio, o L’Équipe noticiou que o Paris-Saint-Germain devia 80 milhões de euros a Mbappé. Este montante corresponde ao salário de abril, acrescido de um bónus.

Mbappé foi deixado de fora do plantel profissional no verão passado, depois de ter anunciado que deixaria o clube no final do seu contrato, em 2024. Depois de ter aceitado negociar com o seu clube, o antigo número 7 acedeu a renunciar a um bónus de 80 milhões de euros, em troca de um regresso ao plantel profissional.

Meses mais tarde, o jogador francês comunicou oficialmente ao seu presidente a saída no final da época. Nasser al-Khelaïfi, patrão do clube, decidiu finalmente transferir o bónus de 80 milhões de euros para a conta de Mbappé. Entrevistados pelo L’Équipe, vários membros da comitiva do presidente do clube da capital explicaram que ele queria que o Real Madrid pagasse a mesma quantia ao clube. Mas o presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, recusou.

Em resposta, Nasser al-Khelaïfi optou por não pagar o salário de abril do jogador formado no Mónaco e um bónus, que ascendia a um total de 80 milhões de euros. Mbappé acusa Nasser al-Khelaifi de não ter cumprido a sua palavra no verão passado. Segundo Mbappé, o presidente pressionou o treinador, o espanhol Luis Enrique, para lhe dar menos tempo de jogo. Por isso, sente-se injustiçado e já não está disposto a abdicar dos 80 milhões de euros que lhe foram prometidos.

Enquanto a história de Mbappé e do Real Madrid está apenas a começar, parece que a sua história com o Paris Saint-Germain está longe de terminar.