Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeOPINIÃOGrã-Bretanha: Prisão perpétua para civis que cozinharam testiculos humanos "homem cortou o...

Grã-Bretanha: Prisão perpétua para civis que cozinharam testiculos humanos “homem cortou o próprio pénis e a perna depois de pedir a um cumplice para os congelar”

Mesmo que a maioria das vítimas tenham consentido, mesmo que o arguido também se tenha auto-mutilado, o homem de quarenta anos foi condenado quinta-feira hoje 9, em Londres.

Uma “carnificina humana”: o líder de um grupo de homens julgados por terem realizados mutilações, incluindo castrações filmadas e trtansmitidas num site pago, foi condenado está quinta-feira à prisão perpétua pelo Tribunal de Londres.

Marius Gustavson, de 46 anos, foi processado por uma série de crimes ligados a “modificações corpurais extremas” em 2013 vítimas, incluindo ele próprio bem como pela remoção e comercialização de certas partes dos corpos das vítimas e da linha de vídios.

Ele havia criado um site pago para divulgar imagens destas modificações corpurais e reenvindicavam “a confecção de eunucos”, uma referência ao movimento “nulo” que reune pessoas que vivenciaram modificações corpurais, como a remoção de seus órgãos genitais. Com 22 mil assinantes, o seu site rendeu perto de 300 mil Libras (cerca de 348 mil euros) entre 2017 e 2021.

Se as vítimas aparentemente consentiram nestas ablações, alguns dos acontecimentos ocurridos equivaleram “carnifacina humana”, confirmou o juiz Mark Lucraft, pronunciasndo a pena de prisão perpétua, acompanhada de um período de segurança de 22 anos.

Segundo ele, Marius Gostavson foi o idealizadore este impreendimento de “grande escala”, tendo em certas ocasião chegado a cozinhar “testiculos humanos, que eram colocados num prato para serem comidos”, frisou.

Este homem, originário da Noroega em que vivia no Norte de Londres, cortou o próprio pénis e a perna depois de pedir a um cumplice para os congelar.

Segundo a promotória, ele esteve pessoalmente envolvido em pelo menos 29 procedimentos contra ele ou outras pessoas.

A queixa de uma vítima à polícia foi seguida por várias detenções em Londres, Escócias e País de Gales. Seis outros homens foram acusados em Lod Bailey, em Londres, de coospiração para cometerem lesões corpurais graves.

Eles admitiram os fafos e foram condenados a penas que viriam de entre 4 anos e meio a 12 anos de prisão maior. Durante o julgamento, o advogado de Marius Gostavson, Rashvinderjeet Panesar, afirmou que o seu cliente foi movido pela necessidade de ser “arquitecto do seu próprio corpo”, apois o fim do seu casamento em 2016.