Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeMUNDOPorque está a chover tanto no sul do Brasil? "86 pessoas morreram...

Porque está a chover tanto no sul do Brasil? “86 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas”

As imagens que chegam do Rio Grande do Sul, no Brasil, mostram a destruição provocada pelas fortes chuvas dos últimos dias e o cenário pode piorar. As autoridades já avisaram que o “grande perigo” no território gaúcho mantém-se. Os especialistas explicam que esta é uma situação rara e que, em parte, a culpa é de uma onda de calor, mas há mais culpados.

As chuvas violentas que têm assolado o Rio Grande do Sul, estado que faz fronteira com a Argentina e o Uruguai, começaram no final da semana passada e já provocaram várias centenas de vítimas.

De acordo com a Defesa Civil, 86 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas. Números que podem ainda subir, uma vez que há mais de 100 desaparecidos.

Estima-se que mais de 850 mil pessoas foram afetadas pelo temporal no território gaúcho. As autoridades divulgaram que há cerca de 121.957 desalojados e 19.368 alojados em abrigos.

Alerta vermelho: situação de “grande perigo”

A chuva tem vindo a ganhar força e não está prevista uma acalmia do estado do tempo. Pelo menos para esta terça-feira. O Instituto Nacional de Meteorologia divulgou um alerta vermelho para a previsão de tempestade em áreas do Rio Grande do Sul.

Com 11 milhões de habitantes, o estado brasileiro tem sido atingido no último ano pelo fenómeno climático El Niño, que tem provocado fortes chuvas. Mas nos últimos dias tem vivido uma situação extrema. Os especialistas dizem que resulta da junção de vários fatores em simultâneo, o que é raro acontecer.

Porque está a chover tanto?

Vários meteorologistas, citados pelos órgãos de comunicação social brasileiros, explicam que as chuvas intensas resultam de uma combinação explosiva.

Enquanto o estado do Rio Grande do Sul está a ser atacado por frentes frias vindas do sul do continente, o centro do Brasil está a suportar uma onda de calor, com temperaturas que estão cerca de 5 graus acima da média para esta altura do ano.

Essa massa de ar quente está a funcionar como uma muralha e bloqueou a frente fria, impedindo-a de se espalhar para outras localidades, provocando assim chuvas intensas e contínuas.

Além disso, a presença de uma corrente intensa de vento no sul e um corredor de humidade vindo da Amazónia também fizeram aumentar a intensidade da precipitação.

Em 2023, fenómenos semelhantes causaram 75 mortos neste estado brasileiro e os especialistas avisam que estes fenómenos serão cada vez mais frequentes.

Estado de calamidade

O governo regional do Rio Grande do Sul decretou estado de calamidade e o Presidente do Brasil Lula da Silva já prometeu que não haverá entraves burocráticos ao envio de ajuda.

Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, grandes áreas da região central estão inundadas. O nível do rio Guaíba, que passa pela cidade, está quase 2,3 metros acima da cota de inundação.

Pelo menos 1,2 milhão de residências e estabelecimentos comerciais permanecem sem energia elétrica e dezenas de municípios estão sem internet.

Além disso, dezenas de estradas ficaram bloqueadas devido à subida de rios e deslizamentos de terras.

Governo português solidário

O governo português manifestou solidariedade às autoridades brasileiras.

“O Governo está solidário com o povo brasileiro neste momento de enorme dificuldade causado pelas terríveis cheias no estado do Rio Grande do Sul”, escreveu o gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Rangel, numa mensagem na conta oficial na rede social X (antigo Twitter).

Surfista Pedro Scooby participa na procura de sobreviventes

As equipas de socorro estão no terreno à procura de sobreviventes e a ajuda tem chegado de várias zonas do Brasil.

O surfista Pedro Scooby e a sua equipa estão no Rio Grande do Sul para ajudar a resgatar e a socorrer as vítimas.

Quase 6 mil animais resgatados

Voluntários, militares, Polícia Civil e bombeiros têm ajudado também na operação de resgate de animais. Pelo menos 5.646 foram salvos.

Em alguns abrigos, os animais estão a ser acolhidos com os donos, mas muitos outros estão a salvo em pavilhões.

De acordo com a CNN Brasil, há relatos de pessoas que se recusam a deixar a casa quando os animais não podem ser levados pelos bombeiros.