Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Amnistia Internacional exige respeito ao direito de protestos em Luanda

A Amnistia Internacional lembra que as autoridades angolanas devem respeitar os direitos dos manifestantes em Luanda durante a manifestação prevista para 22 de junho...
HomePOLÍTICAKamalata Numa acusa João Lourenço de mandar atacar caravana de deputados da...

Kamalata Numa acusa João Lourenço de mandar atacar caravana de deputados da UNITA

A guerra em Angola, que iniciou em 1975, foi obra do MPLA com ataques aos parceiros do Acordo de Alvor. Durou anos, destruiu vidas, infraestrutura política, económica, social e cultural. Institucionalizou o crime, a corrupção, os “marimbondos” e a incompetência governativa.

Fonte: O Decreto

Hoje, o MPLA, assustado com a onda da alternância democrática, numa altura de divisões profundas no seu seio e da impossibilidade de João Manuel Gonçalves Lourenço candidatar-se à Presidente do MPLA e como consequência de candidatar-se a Presidente da República em 2027, arquitetou-se o seguinte:

1° – Criar artifícios políticos com a criação de duas Províncias-feudo para buscar 10 Deputados em 2027.

2° – Criar condições políticas de instabilidade no espaço do Kuito Kuanavale, para tal Província-feudo ou a razão para não realização de Eleições Gerais em 2027.

É nesta perspectiva que se circunscreve a operação do ataque a caravana de Deputados do Grupo Parlamentar da UNITA.

A operação foi bem coordenada desde a concentração de efectivos idos do Huambo e Bié que se juntaram aos do Kwando Kubango, ao modelo da operação, a escolha do local do ataque, a informação sobre a composição da coluna de Deputados, a hora de partida do Menongue e de chegada ao local.

A conivência de instituições públicas é evidente. Ela, parte da hostilização dos Deputados com a não recepção pelas autoridades locais, o agendamento da actividade parlamentar pela Assembleia Nacional na semana consagrada à deputação, o atentado contra o carro do Deputado Américo Chivukuvuku no Huambo e a desinformação que está a ser feita pelas estruturas governamentais nacionais e locais, assim como a comunicação social pública, por si só dizem tudo.

Contra esta situação é necessário estruturar uma resposta à altura das circunstâncias, olhando para o povo angolano, para as instituições internacionais, já que as nacionais estão capturadas pelo Senhor João Lourenço.

Não dar o que João Lourenço e o MPLA querem é estratégico. Agir dentro da lei é fundamental e criar um amplo movimento de soberania democrática que confronta a arbitrariedade é a finalidade desejável.

General Abilio Kamalata Numa