Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Homens de gatilho no Bita Taque denunciam existência de grupos organizados na ocupação ilegal de terrenos

Antigos Comatentes e Veteranos da Pátria no Bita Tanque nas mediações do Distrito Urbano do kapakapa, no município de Belas, em Luanda, denunciaram, a...
HomeNOTÍCIASSOCIEDADEHomens de gatilho no Bita Taque denunciam existência de grupos organizados na...

Homens de gatilho no Bita Taque denunciam existência de grupos organizados na ocupação ilegal de terrenos

Antigos Comatentes e Veteranos da Pátria no Bita Tanque nas mediações do Distrito Urbano do kapakapa, no município de Belas, em Luanda, denunciaram, a existência de grupos organizados de pessoas que se dedicam exclusivamente a ocupação ilegal de terrenos que se intitulam serem supostamente membros da Sonangol.

Em declarações à imprensa, naquela circunscrição, os homens de gatilhos revelaram que enfrentam problemas dos “invasores”. Segundo conta Francisco Zua Pedro que, as áreas em causa pertencem aos ex-militares numa iniciativa do ministério dos Antigos Combatentes e veteranos da Pátria. Os grupos organizados, intimidam cidadãos, espancam-no, ocupam as suas lavras e depois fazem o talhonamento das terras para fazem das suas.

“Este espaço já foi adquirido pelos antigos combatentes e veteranos da pátria desde 1985 para diante a fim, de ajudar aqueles que sofreram, mas infelizmente nos anos de 1997 quando a Sonangol retoma esta parte, é quando foram expulsos a maior dos antigos combatentes e ocuparam este território e começaram a vandalizar esta área. O senhor Chaves e outros engenheiros e a PCU osubmeteram-nos  torturas e detenções”.

Segundo conta que o Tribunal tendo analisado a situação, devolveu as terras às mãos dos antigos combatentes, mas ainda regista-se presença dos invasores que continuam a tirar sono, muitas vezes munidos de armas brancas e de fogo, e por isso, pedem apoio de quem de direito para por cobro dos invasores.

“Eles ameaçam os camponeses detentores dessas terras, batem e já houve há dois anos um caso de quase a morte de um cidadão, devido a ferimentos causados por um golpe perpetrado pelos agentes da PCU. Felizmente os criminosos já se encontram a contas com a justiça”, referiu. Avançou que nos grupos encontram-se elementos civis e outros trajando uniformes das forças de defesa e segurança.

Manuel Monteiro é outro morador que diz estarem impedido de frequentar suas terras pelas forças da PCU, Sr. Malebo.” Não temos paz, é muito

Luca Flay filho de uma das camponesas e residente do bairro desde 1985 quando lhes foram atribuídas as terras, com seus dez anos. “cresci nestas terras a minha mãe começou a trabalhar aqui”.

A área pertece à Atigos Combatentes e Veteranos da Pátria.

Tudo começou em 1997 quando chegaram homens da Sonangol, com promessas de indemnizarem todos camponeses, mas o que nunca se cumpriu até ao momento.

De igual modo, disse que os invasores não querem contacto com as autoridades locais, “Os invasores usam muitas vezes o nome de engenheiros para ludibriar camponeses, quando na verdade nem sequer nos conhecem. Forjam as nossas assinaturas, mas as pessoas têm que saber que nem eu nem o soba temos competência para distribuir ou vender terrenos”, esclareceu.

Apelou ao governo de Luanda que aprove e implemente um plano director para a cidade, que permita aos cidadãos o acesso fácil a lotes de terrenos já organizados e estruturados para auto-construção dirigida, evitando-se a continuidade do fenómeno ocupação ilegal de terrenos.

Na mesma senda, a camponesa Teresa Jorge disse que perdeu mais de dois hectares de terra a favor dos invasores, há cerca de três anos, tendo sido na altura ameaçada, pelo que preferiu calar. “Eles vêm em grupo, chegam a ocupar diversos hectares num só dia, ficam aí a comer e a beber, depois fazem o talhonamento, enquanto uns ficam de vigia”, disse.

Revelou que situações idênticas já aconteceram com camponeses de diferentes áreas da cidade de Luanda.

De recordar que, já havia se referido à complexidade do fenómeno ocupação de terrenos naquele circuscrição sendo das áreas mais problemáticas a esse nível em Luanda, e apelou por isso a uma conjugação de esforços a nível dos vários sectores, administração, justiça, polícia, Forças Armadas, para combatê-lo.