Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Amnistia Internacional exige respeito ao direito de protestos em Luanda

A Amnistia Internacional lembra que as autoridades angolanas devem respeitar os direitos dos manifestantes em Luanda durante a manifestação prevista para 22 de junho...
HomeOPINIÃOMCA entrega projeto de 37 milhões de euros para levar energia limpa...

MCA entrega projeto de 37 milhões de euros para levar energia limpa a mais de 55 mil pessoas

Com uma potência instalada de 25,3 MWp, foram montados cerca de 44 mil painéis solares no parque solar do Luena, em Angola.

Guimarães, 24 de maio de 2024 – Foi inaugurado esta sexta-feira, pelo Ministério da Energia e Águas (MINEA) o Parque Fotovoltaico do Luena, na província de Moxico, em Angola. Esta infra-estrutura, com uma potência instalada de 25,3 MWp, foi construída pela MCA e irá abastecer 59 483 pessoas. Este é o quarto parque solar entregue de sete, que a empresa portuguesa está a construir.

Manuel Couto Alves, Chairman da MCA, afirma que “É com enorme orgulho que entregamos o quarto parque solar em Angola. As nossas equipas reconhecem o impacto que estes projetos têm na melhoria da qualidade de vida da população e estão a realizar um excelente trabalho. Identificamo-nos muito com este projeto, sentimos orgulho em fazer parte, em contribuirmos, com o nosso know-how, conclui o fundador da MCA.

Com a entrada em funcionamento deste Parque Fotovoltaico, orçado em 36,9 milhões de euros e um total de 43.680 painéis solares, o sistema beneficia de uma capacidade de produção de energia renovável considerável, que conjugada com a nova linha de interligação da central térmica da Wartsilla com a SE do Luena, vai permitir, por um lado, um maior aproveitamento da produção renovável e uma maior estabilidade do sistema, reduzindo a possibilidade de blackouts, e, por outro, a redução do consumo de combustível por parte da central térmica.

Construído pela portuguesa MCA, em consórcio com a norte americana Sun Africa, para o Governo de Angola, este projeto faz parte de um conjunto de sete parques solares fotovoltaicos, que deverão estar operacionais até ao final do ano, totalizando uma capacidade de 370 megawatts (MWp). Esta energia é suficiente para fornecer mais de dois milhões de pessoas, e tratando-se de uma energia “limpa”, evita a emissão de mais de 900.000 toneladas de CO2 por ano.

Em todos os projetos em que a MCA está envolvida, desenvolve projetos de responsabilidade social com impacto económico e social nas comunidades em que se inserem. Foram construídos mercados, pavilhões de formação, doadas cadeiras de rodas e dada formação nas escolas com a finalidade de consciencializar os mais jovens para cuidarem do planeta. Além disso, estão também a ser formados carpinteiros que  reutilizam a madeira que transporta os painéis solares e constroem mobiliário, que já está a equipar escolas e unidades de saúde.

O projeto de eletrificação de zonas rurais, inserido no plano “Energia Angola 2025”, tem como objetivo diversificar a matriz energética do país, a fim de garantir que cerca de 77% da população rural tenha acesso a eletricidade, bem como contribuir para a redução anual de emissões poluentes em cerca de um milhão de toneladas de dióxido de carbono.

As soluções disponibilizadas pela empresa portuguesa, nos quatro verticais de negócio – Energias, Desenvolvimento Urbano, Infraestruturas e Saúde – têm como objetivo primordial promover comunidades prósperas e saudáveis, preparadas para um futuro mais sustentável e equilibrado.

Sobre MCA 

A MCA é uma empresa portuguesa fundada em 1998 em Guimarães, pelo empresário Manuel Couto Alves e conta, atualmente, com cerca de 2000 colaboradores em várias geografias. A empresa atua no desenvolvimento, engenharia, procurement, construção e operação de projetos em quatro verticais de negócio: Energias, Desenvolvimento Urbano, Infraestruturas e Saúde. A MCA iniciou o seu processo de internacionalização em 2006 no mercado angolano, estando atualmente presente em três clusters geográficos que incluem a Península Ibérica, Europa Central e África. A empresa procura criar e partilhar valor a longo prazo, promovendo assim o desenvolvimento sustentável das comunidades onde actua.