Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeÁFRICAFome “total” em Gaza, diz alta funcionária da ONU

Fome “total” em Gaza, diz alta funcionária da ONU

cindy McCain, diretora-executiva do Programa Alimentar Mundial (PAM), diz que há uma “fome total” no norte de Gaza e está a avançar para sul.

O norte da Faixa de Gaza está a passar por uma situação de fome “total”, segundo a diretora do Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU, Cindy McCain.

“Sempre que há conflitos como este, e as emoções estão elevadas, as coisas acontecem, em guerra, a fome acontece”, disse McCain numa entrevista à NBC. “O que vos posso explicar é que há fome – fome total – no norte”, acrescentou.

McCain alertou para o facto de a fome estar a “avançar para sul”, onde a grande maioria da população de Gaza fugiu dos combates entre Israel e o Hamas.

Desde meados de março que as Nações Unidas afirmam que o norte de Gaza está “quase” em estado de fome, embora a organização ainda não tenha declarado oficialmente que a fome começou.

A Human Rights Watch denunciou recentemente que havia crianças a morrer de complicações relacionadas com a malnutrição em Gaza, afirmando que Israel estava a utilizar a fome como “arma de guerra” – um crime de guerra ao abrigo do direito internacional.

O chefe da política externa da UE, Josep Borrell, também afirmou em março que Israel estava a “provocar a fome” como arma de guerra. Os responsáveis israelitas rejeitaram estas acusações.

Cindy McCain referiu que o país tem assistido a um “verdadeiro horror” no terreno que é “muito difícil de ver ou ouvir”.

A alta funcionária da ONU apelou a um cessar-fogo de maneira a poder chegar alimentos às pessoas “de uma forma muito mais rápida”.

Contestação sobre a insegurança alimentar

Israel tem sido repetidamente acusado de bloquear ou obstruir as entregas de ajuda ao norte de Gaza, apesar de as organizações humanitárias terem afirmado que o número de camiões que entram tem aumentado desde maio.

Os comboios de ajuda que transportam bens vitais foram também alvo de disparos das forças israelitas, enquanto outros foram saqueados por multidões desesperadas e bandos de criminosos.

A World Central Kitchen, um grupo sem fins lucrativos sediado nos EUA, retomou as suas operações na segunda-feira, depois de sete dos seus trabalhadores terem sido mortos por um ataque aéreo israelita em abril. A organização já distribuiu mais de 43 milhões de refeições em Gaza.

Israel negou tais alegações. Em vez disso, culpou a ONU e outras organizações internacionais pelos problemas logísticos e pelos atrasos.

Na quarta-feira, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, instou o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, a permitir a entrada de mais ajuda em Gaza, depois de alegações das organizações internacionais de que apenas uma fração da ajuda necessária estava a chegar.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou no início desta semana que se registaram progressos incrementais no sentido de evitar “uma fome totalmente evitável e de origem humana” no norte da Faixa de Gaza.

Guterres exortou a comunidade internacional a “fazer tudo o que for possível” para evitar uma crise.