Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeÁFRICAAntónio Guterres apela maior investigação a alegada participação de funcionários da ONU...

António Guterres apela maior investigação a alegada participação de funcionários da ONU no ataque do Hamas

O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se hoje horrorizado com o alegado envolvimento de funcionários da Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos (UNRWA) nos ataques de 7 de outubro a Israel e pediu uma rápida investigação.

 

“O secretário-geral foi informado pelo comissário-geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, sobre alegações extremamente graves que implicam vários membros do pessoal da UNRWA nos ataques de terror de 07 de outubro em Israel”, disse o porta-voz de Guterres em comunicado.

O ex-primeiro-ministro português “está horrorizado com esta notícia e pediu ao sr. Lazzarini que investigasse este assunto rapidamente e garantisse que qualquer funcionário da UNRWA que tenha participado ou sido cúmplice do que aconteceu em 07 de outubro, ou em qualquer outra atividade criminosa, seja despedido imediatamente e encaminhado para possível processo criminal”, acrescentou Stéphane Dujarric.

A UNRWA anunciou hoje a decisão de rescindir os contratos de membros do seu pessoal que alegadamente participaram nos ataques do grupo islamita Hamas contra Israel em 7 de outubro.

O comissário-geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, disse em comunicado que tomou “a decisão de rescindir imediatamente os contratos destes funcionários e lançar uma investigação para estabelecer a verdade sem demora”, com vista a “proteger a capacidade da agência da ONU de fornecer assistência humanitária” na Faixa de Gaza.

Na mesma nota, Lazzarini observou que esta situação ocorre depois de “as autoridades israelitas fornecerem à organização informações sobre a suposta participação de vários funcionários da UNRWA nos horríveis ataques contra Israel em 07 de outubro”.

“Estas alegações chocantes surgem num momento em que mais de dois milhões de pessoas em Gaza dependem da assistência vital que a Agência tem prestado desde o início da guerra. Qualquer pessoa que traia os valores fundamentais das Nações Unidas também trai aqueles a quem servimos em Gaza, em toda a região e em outras partes do mundo”, observou o líder da UNRWA.

O mais recente conflito entre Israel e o Hamas foi desencadeado pelo ataque sem precedentes do movimento islamita palestiniano em território israelita, matando cerca de 1.140 pessoas, na maioria civis, e levando mais de 200 reféns, segundo números oficiais de Telavive.

Em retaliação, Israel, que prometeu eliminar o movimento islamita palestiniano considerado terrorista pela União Europeia e Estados Unidos, lançou uma ofensiva em grande escala na Faixa de Gaza, onde, segundo as autoridades locais tuteladas pelo Hamas, já foram mortas mais de 26.000 pessoas — na maioria mulheres, crianças e adolescentes.

O conflito provocou também cerca de 1,9 milhões de deslocados (cerca de 85% da população), segundo a ONU, mergulhando o enclave palestiniano sobrepovoado e pobre numa grave crise humanitária.