Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Amnistia Internacional exige respeito ao direito de protestos em Luanda

A Amnistia Internacional lembra que as autoridades angolanas devem respeitar os direitos dos manifestantes em Luanda durante a manifestação prevista para 22 de junho...
HomeMERCADOBCI dá créditos a mais de 150 mil famílias para a produção...

BCI dá créditos a mais de 150 mil famílias para a produção de grãos

O director do agronegócio do Banco de Comércio e Indústria (BCI), Ferreira Kavissukua, revelou, recentemente, que, nos últimos dois anos, 150 mil familias beneficiaram de crédito para o fomento à produção de grãos em Angola.

Fonte: Jornal O País

Ferreira Kavissukua afirmou que, desde que a Carrinho assumiu o BCI, há dois anos, a instituição tem vindo a apostar fortemente no agro-negócio tendo como foco a produção de grãos, no sector primário e sobretudo na agricultura familiar.

“Então o banco BCI joga um papel, no sentido de proporcionar com alguns imputes financeiros, alguns encaixes para ajudar na aquisição dos insumos e outros meios para a produção”, sustenta.

Desta feita, num curto espaço de tempo, ou seja desde que o BCI entrou na fase de reestruturação, foram desembolsados cerca de 60 mil milhões de kwanzas só em 2023, 150 mil famílias camponesas apoiadas, porém apontam para cada vez mais aumento.

Os apoios de que fala se resumem, fundamentalmente, em insumos agricolas para o processo de produção de grãos, que chegam às familias por via da Carrinho Agri, a quem cabe organizar os agricultores.

Bancos há que se furtaram a financiar o sector agrícola devido à questão relativa ao direito de superfície dos terrenos. Entretanto, o director do agro-negócio do BCI, entidade ligada à Carrinho, deixa claro que tal não se dá em relação aquela instituição bancária, porquanto a primazia desta consiste em apoiar as famílias, tendo em vista a auto-suficiência e segurança alimentares, associado, naturalmente, à necessidade de se alimentar as fábricas da Carrinho.

“Não se coloca muito essa questão de falar das garantias de terras. Isto implicaria pedir ao camponês documentos como direito de superfície e isto não iria resolver a nossa necessidade”, explicou.