Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Amnistia Internacional exige respeito ao direito de protestos em Luanda

A Amnistia Internacional lembra que as autoridades angolanas devem respeitar os direitos dos manifestantes em Luanda durante a manifestação prevista para 22 de junho...
HomeECONOMIADívida pública de Angola passou de 34,3 mil milhões para Kz 53,1...

Dívida pública de Angola passou de 34,3 mil milhões para Kz 53,1 mil milhões

A dívida pública de Angola passou de 34,3 mil milhões de kwanzas, em Dezembro de 2022, para Kz 53,1 mil milhões, em Dezembro de 2023, em grande medida, devido à depreciação da moeda nacional, informou esta terça-feira, em Luanda, o ministro de Estado para a coordenação económica, José Massano.

Ao apresentar os dados macro-económico sobre as finanças públicas do país, na abertura da 3ª edição da conferência económica nacional “Angola Economic Outlook 2024”, o governante disse que a nível das finanças estima-se que as contas fiscais tenham registado, no ano transacto, um saldo global deficitário de 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB), e saldo primário superavitário de 4,3 por centos.

Para contrapor este cenário, o ministro de Estado explicou que o Executivo adoptou um conjunto de medidas de estímulo à economia e de dinamização do seu potencial de crescimento, com foco na segurança alimentar, protecção e criação de postos de trabalho e de elevação da competitividade dos produtos “Feito em Angola”.

Conforme o governante, apesar de prevalecer os riscos e desafios centrados no comportamento de preços, pressão sobre a moeda, acesso ao crédito e remoção progressiva de subvenções não produtivas, as previsões para 2024 são positivas.

Neste particular, apontou que a economia nacional deverá crescer em cerca de 3 %, influenciado pelo crescimento de quase 5% do sector não petrolífero, que deverá compensar a contracção que se prevê para o sector de petróleo e gás de 3,2%.

Fez saber que o país importa mensalmente alimentos em torno dos 200 milhões de dólares, fundamentalmente em produtos como arroz, açúcar, frango, trigo e óleo alimentar.

Sobre a disponibilidade de preços e dos produtos importados, realçou que estes dependem do nível de oferta e dos mercados internacionais, da disponibilidade de moeda estrangeira e da taxa de câmbio no mercado interno.

A estes factores, junta-se o custo do frete e seguro internacional de transporte, bem como das condições operacionais e financeiras de acesso dos importadores locais aos mercados externos.

Referiu que esta situação se agrava devido à dependência elevada de um bem de exportação, nomeadamente, o petróleo bruto.

Segundo o ministro de Estado, o nível geral de preços aumentou, tendo a inflação passado de 13,86%, em 2022, para 20,01% no final de 2023, muito influenciada pela classe da alimentação e bebidas não alcoólicas.

Explicou que a inflação, ciclicamente elevada, depende do comportamento dos preços dos alimentos, que “em Angola representam cerca de 60% do cabaz típico de produtos e serviços consumidos pela nossa população”.

“É crucial o aumento da produção nacional garantir a segurança alimentar e tirar partido das outras oportunidades que este desenvolvimento trará para a economia”, frisou o ministro.

Com este intuito, disse, o Executivo fez um reforço, no presente OGE, da dotação orçamental de 150 mil milhões de kwanzas para o Ministério Agricultura e Floresta, tendo incrementado, recentemente, 50 mil milhões de kwanzas para viabilizar a recuperação e normalizar o funcionamento dos institutos agrários, bem como para o lançamento do projecto de edificação do Centro de Biotecnologia do Café.

A 3ª Conferência Angola Economic Outlook (AEO) decorreu sob o lema “Segurança alimentar: Realidade, desafios e oportunidades”, numa promoção do Ministério do Planeamento, em parceria com a revista Economia & Mercado.

A mesma teve dois painéis, durante os quais foram abordadas matérias ligadas ao “desenvolvimento económico 2023 e perspectivas macro-económicas para 2024” e “estratégias para o fomento da produção alimentar”.