Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Mulher de 49 anos suspeita de queimar sobrinha

A Polícia Nacional em Luanda deteve, no Distrito da Camama, município de Talatona, uma mulher, de 49 anos, por supostamente ter queimado a sobrinha,...
HomeÁFRICAProfissionais de saúde em Moçambique ameaçam encerrar portas dos hospitais em todo...

Profissionais de saúde em Moçambique ameaçam encerrar portas dos hospitais em todo país

Os profissionais de saúde de Moçambique decidiram prolongar a greve por falta de consenso com o Governo, que acusam de não apresentar “medidas concretas para satisfazer as necessidades da população”. O presidente da Associação de Profissionais de Saúde Unidos e Solidários de Moçambique, Anselmo Muchave, garante que se o Governo “continuar com o braço de ferro”, vão encerrar as unidades sanitárias.

Quais foram as razões que vos levaram a prolongar a greve no sector da Saúde?

Anselmo Muchave, presidente da Associação de Profissionais de Saúde Unidos e Solidários de Moçambique: O que acontece é que o Governo moçambicano não traz nada em concreto para satisfazer aquilo que são as necessidades da população. As unidades sanitárias não têm medicamentos, os pacientes não têm direito à alimentação e os profissionais de saúde não recebem uniforme há 15 anos. Estamos a falar de um país do terceiro mundo, onde as pessoas não têm condições nem para comprar um simples paracetamol. Desde 2023, o Governo não mudou nada e as coisas tendem a piorar.

Afirma que o Governo não apresenta medidas concretas. Refere-se ao pagamento na totalidade das horas extraordinárias?

As nossas unidades sanitárias não têm medicamentos, não há camas suficientes, temos quatro pacientes para uma cama, e as ambulâncias não têm combustível. Imaginemos uma criança com asfixia precisa de uma transferência para uma unidade sanitária de terceiro nível, não há ambulâncias.

O Governo prometeu disponibilizar medicamentos para todas as unidades sanitárias, ambulâncias, até final do ano de 2023, e não fez. Não estamos a falar de horas extraordinárias. As horas são apenas uma coisa que o Governo tem de fazer. Estamos a falar do reenquadramento dos profissionais de saúde e do aumento salarial, sabendo que a cesta básica, em Moçambique, está avaliada nos 24 mil meticais, enquanto o salário mínimo em Moçambique é de cerca de 8 mil meticais, 120 euros.

O ministro da Saúde garante que 60 mil profissionais do sector já foram enquadrados, que está a ser tratado o pagamento das horas extraordinárias em atraso aos funcionários e que as coisas se vão resolver paulatinamente. Estas medidas não são suficientes?

Nós temos documentos que demonstram que não chegamos a consenso. O ministro da saúde faz declarações e não tem documentos para provar o que diz.

O ministro da Saúde, Armindo Tiago, diz que estão a ser reabilitadas as unidades sanitárias, como o Hospital Provincial de Xai-Xai, o Hospital Geral de Madalena, o Hospital Geral de José Carmo diz que estão a construir novas unidades sanitárias. Mas o senhor descreve condições de trabalho precárias…

Em África, a reabilitação de uma unidade sanitária pode levar dez ou 20 anos, mas a doença não se adia. A alimentação e a medicação de um paciente não podem esperar esse tempo.

Querem respostas concretas?

Queremos respostas concretas. Tão simples quanto isso.

Acusam o Governo de assédio moral e intimidações. Têm sido impedidos de realizar os movimentos de greve?

Sim. Alguns profissionais têm sido impedidos de fazer a greve, outros receberam ameaças de expulsão dos serviços e até processos disciplinares. No nosso país, a lei ao direito de manifestação é clara, porém há muita gente a governar que não conhece a lei. É preciso que os gestores das províncias e dos distritos conheçam as leis, pois são estas pessoas que impedem o desenvolvimento do continente.

A falta de consenso entre a Associação dos Profissionais de Saúde Unidos e Solidários de Moçambique e o Governo, nesta greve, já fez pelo menos 300 vítimas mortais. É uma situação muito grave….

É muito grave e o Governo está a ignorar estas situações. As mortes nas unidades sanitárias são piores do que as mortes em Cabo Delgado. A falta de profissionais de saúde é muito grave. Por exemplo, sem profissionais nas unidades de cirurgia, como é que se fazem os partos? Estamos numa situação grave e o Governo está a ser negligente.

Quais foram as respostas do Governo?

Nós fomos claros com o Governo, dando-lhe a nossa carta reivindicativa e dizendo-lhe que podiam escolher as questões que queriam resolver. Mas, até hoje, o executivo não conseguiu resolver. E depois vai à televisão mentir à população. Há muito tempo que o Governo não é claro no número dos mortos. Mas nós estamos a trazer à realidade aquilo que acontece em Moçambique.

O senhor é o presidente da Associação dos Profissionais de Saúde Unidos e Solidários de Moçambique. Que descrição nos pode fazer do serviço onde trabalha?

Trabalho no serviço de Neonatologia e os serviços são péssimos. Como é que ficam essas crianças que não têm atendimento? É uma lástima. Apesar do Governo dizer que a greve não está a ter qualquer impacto. Mas nós temos provas claras, temos vídeos, temos imagens que podemos partilhar com o mundo.

Para além da greve, quais são os próximos passos?

Se o Governo continuar com este braço de ferro, nós vamos retirar os serviços mínimos das unidades sanitárias. Equacionamos mesmo o encerramento, por completo, das unidades sanitárias. Queremos ver se o Ministério da Saúde vai receber os pacientes. As autoridades precisam de reconhecer [os direitos] dos pacientes e dos profissionais de saúde. Como é que um profissional pode trabalhar sem luvas? Como é que um paciente pode chegar numa unidade sanitária e não encontrar medicamentos? Quando sabemos que os nossos governantes saem do país para receber tratamento.