Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeECONOMIAPreços até Abril sobem 20% no informal e 16% no formal

Preços até Abril sobem 20% no informal e 16% no formal

Os preços dos produtos seleccionados pelo Expansão aumentaram em relação a Dezembro do ano passado, mas mantiveram-se estáveis desde a última semana de Março até Abril deste ano. Os preços continuaram estáveis depois da subida de 48% no preço do gasóleo para 200 Kz o litro.

Os preços de alguns dos principais produtos da cesta básica registaram um aumento de 20% no mercado informal e 16% no formal, no mês de Abril em relação a Dezembro do ano passado, apurou o Expansão numa ronda feita na cidade de Luanda, comparando os preços levantados entre a segunda quinzena de Dezembro e a última semana de Abril. As informações foram recolhidas nos mercados formais (Kero, Candando e Maxi) e informais (Catinton e Asa Branca).

Apesar da estabilidade aparente da taxa de câmbio, os preços continuam em alta, afectando o poder de compra das famílias. A escassez de divisas e a especulação são factores que contribuem para a subida dos preços. A população enfrenta desafios crescentes para adquirir alimentos básicos, resultando em estratégias como comprar porções menores e vender produtos fraccionados para lidar com os altos custos.

No mercado informal, onde se registou o maior aumento nos preços, numa lista de 18 produtos verificou-se que para comprar o mesmo cabaz é preciso hoje mais 21.750 Kz do que há quatro meses. Destaca-se, entre os produtos seleccionados, a caixa de peixe carapau como o produto que mais encareceu o cabaz, com um aumento de 13.000 Kz (48%) desde Dezembro, bem como o saco de arroz de 25 kg, que passou a custar mais 5.500 Kz.

Entre as maiores variações estão também a fuba de milho, e a caixa de frango, que são dos mais consumidos pela população angolana, com variações de 57% e 25%, respectivamente. Em marcha inversa, houve produtos que tiveram os seus preços reduzidos, com destaque para o açúcar, fuba de bombó, o feijão catarino e vinagre. Por outro lado, constatou-se também preços que se mantiveram inalterados, como é o caso da batata e do óleo.

Já no mercado formal, entre os 11 produtos seleccionados para o levantamento, entre os que mais cresceram destacam-se o leite Nido e a farinha de trigo. No outro extremo, entre os preços que mais reduziram estão a fuba de milho e o frango. (Ver tabelas)

Nas últimas semanas

Apesar da subida verificada nos preços entre Dezembro de 2023 e Abril do corrente ano, no mercado informal, verificou-se uma certa estabilidade nos preços entre a última semana do mês de Março à última de Abril. Neste período, os preços registaram em média uma redução de 3%, ou seja, eram necessários na última semana de Março mais 3.700 Kz para comprar o mesmo cabaz na última semana de Abril.

Esperava-se também na última semana uma alteração nos preços dos bens alimentares como consequência da subida de 48% no preço do gasóleo, no último dia 23 de Abril, que passou a custar 200 Kz por litro. Mas até o último levantamento do Expansão os preços mantiveram-se estáveis nos mercados informais. Diferente do que se verificou nos mercados informais, nos formais, entre a última semana de Março e de Abril, os preços mantiveram a marcha crescente ao registar uma subida de 5%, com destaque para o leite Nido com 25% (mais 4.149 Kz).