Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeOPINIÃOMias de 640 fectivos da PN formados continuam sem farda passado dois...

Mias de 640 fectivos da PN formados continuam sem farda passado dois meses após o fim do curso

Mais de 640 efectivos da Polícia Nacional (PN) que em Março último concluíram o curso de transição no Centro de Instrução do comando da Polícia Fiscal Aduaneira, em Luanda, continuam sem farda e a trabalhar com roupas civis.

Alguns dos visados disseram ao Novo Jornal que estes efectivos são, na sua maioria, das direcções de Comunicação Institucional e Imprensa, intercâmbio e Cooperação, de Trânsito e Segurança Rodoviária (DTSR), Logística, Educação Patriótica e os da Direcção de Doutrina e Ensino Policial.

Ao Novo Jornal estes polícias revelaram que estão a trabalhar com roupas civis, porque ainda não recebem as fordas, indumentaria que já deveriam ter no final do curso, uma situação que os está a deixar desconfortáveis.

E asseguram que já estão devidamente colocados, mas o grande problema consiste apenas na falta do fardamento, que segundo contam está em falta na polícia há meses.

“Só para terem uma ideia, encerramos o curso de polícia com a farda da instrução, o que por regra não é permitido. Prometeram-nos que em uma semana a situação ficaria resolvida, o que não acontece há quase dois meses”, descreveu um efectivo, que falou sob anonimato.

Para além desta preocupação, outros efectivos da Polícia Nacional queixam-se também da morosidade dos passes de identificação que segundo contam, estão desactualizados há anos.

O Novo Jornal soube junto da PPN que este problema se arrasta há vários meses, sobretudo nos comandos províncias, onde há efectivos a trabalharem com um par de farda há anos.

Sobre este assunto, o Novo Jornal contactou, na passada sexta-feira,03, a Polícia Nacional, através da sua direcção de comunicação institucional e imprensa mas está direcção remeteu-se ao silêncio.