Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Mulher de 49 anos suspeita de queimar sobrinha

A Polícia Nacional em Luanda deteve, no Distrito da Camama, município de Talatona, uma mulher, de 49 anos, por supostamente ter queimado a sobrinha,...
HomeÁFRICAKivu do Norte: 13 mortos e 28 feridos em bombardeamentos M23-RDF em...

Kivu do Norte: 13 mortos e 28 feridos em bombardeamentos M23-RDF em locais deslocados em Goma (relatório provisório

13 civis mortos e 28 feridos, este é o balanço provisório das bombas lançadas pelos rebeldes M23-RDF na manhã de sexta-feira, 3 de maio de 2024, em Mugunga, a oeste da cidade de Goma, no Kivu do Norte.

Segundo a sociedade civil do grupo Kamuronza que se refugiou nesta zona da cidade, os locais mais afectados são os de Cepac/Mugunga e Lushagala. Entre as vítimas estão várias mulheres e crianças, a maioria das quais se encontra em estado irreconhecível.

Estas bombas mortais, num total de cinco (5), teriam vindo de posições M23-RDF em torno de Sake, no território de Masisi.

Perante esta situação, a população, profundamente chocada com este enésimo acontecimento, manifestou a sua indignação bloqueando a estrada, mostrando assim a sua indignação perante esta violência cega que atingiu civis inocentes no seu local de refúgio. Numa altercação com a polícia em Mugunga, outros 3 deslocados foram mortos e 3 ficaram feridos.

“Continuamos a denunciar este tipo de ação por parte dos terroristas do M23-RDF que continuam a ter como alvo civis. Para onde foi o direito humanitário internacional? Como pode a vida dos congoleses orientais ser minimizada a este ponto? Onde estão as autoridades congolesas? », pergunta desesperadamente Muisha Busanga Leopold, prevê a sociedade civil do grupo Kamuronza.

E acrescentou: “já é tempo de as nossas forças de defesa atacarem duramente, destruindo todas estas armas que diariamente causam sofrimento à população civil. O M23 começou em Sake onde houve várias dezenas de mortos, é mesmo aqui que a população se refugiou, também se torna o mesmo ritmo de bombardeamentos. As nossas FARDC devem parar de regulamentar, devemos reagir de forma eficaz.”

Durante dias, vozes levantaram-se para pedir à justiça internacional que iniciasse investigações para listar todos os casos de violações dos direitos humanos cometidos pelos rebeldes M23-RDF contra a população pacífica.