Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeÁFRICAJunta Militar suspende partidos políticos no Mali

Junta Militar suspende partidos políticos no Mali

A Junta Militar que governa o Mali anunciou ontem, 10 de Abril, a suspensão dos partidos e das actividades de natureza política no país. Os militares acusam as organizações políticas de manterem “discussões estéreis” e de “subversão”, no âmbito do diálogo nacional lançado, a 31 de Dezembro, pelo Coronel Assimi Goïta. 

Abdoulaye Maïga,ministro da Administração Territorial e porta-voz do Governo. Imagem de arquivo.

O Coronel Abdoulaye Maïga, ministro da Administração Territorial e porta-voz do Governo, explicou que a situação de segurança no terreno foi uma das razões para a suspensão, até novo aviso, das actividades dos partidos e associações políticas no Mali.

“As actividades dos partidos políticos e as actividades de natureza política das associações em todo o território nacional estão suspensas até novo aviso, por razões de ordem pública”, pode ler-se no decreto.

O Coronel Maïga justificou ainda a suspensão dos partidos invocando o “diálogo” nacional iniciado a 31 de Dezembro pelo Coronel Goïta. O lançamento deste “diálogo”, assim como o desrespeito do prazo de 26 de Março, deu origem a “discussões estéreis” e a “hipóteses que não têm razão de ser”, acrescentou o militar de alta patente.

“Não podemos levar a cabo um diálogo tão crucial em plena cacofonia e confusão”, insistiu.

Esta decisão surge numa altura em que os militares permaneceram na liderança do país, ultrapassado a data de 26 de Março na qual se comprometeram- se sob pressão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO)- a ceder o poder aos civis eleitos. A Junta Militar tinha ainda prometido organizar eleições presidenciais em Fevereiro de 2024, o que não veio a acontecer.

Trata-se de uma nova restrição a qualquer expressão de oposição ou dissidência por parte dos coronéis que chegaram ao poder pela força em Agosto de 2020, derrubando o Presidente eleito Ibrahim Boubacar Keïta.

Um colectivo de organizações de direitos humanos afirmou, recentemente, que o que o Mali vive “num impasse” e que era altura de os militares “regressarem aos quartéis” e “deixarem outros cidadãos eleitos gerirem os assuntos públicos do país”.

Em resposta, o coronel Maïga reiterou que o país “não está de forma alguma num vazio jurídico, a transição continua”.

Desde a chegada ao poder, consolidada por um golpe de Estado em Maio de 2021, a Junta Militar rompeu a antiga aliança com a França e os parceiros europeus, voltando-se militar e politicamente para a Rússia.