Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Mulher de 49 anos suspeita de queimar sobrinha

A Polícia Nacional em Luanda deteve, no Distrito da Camama, município de Talatona, uma mulher, de 49 anos, por supostamente ter queimado a sobrinha,...
HomeDESPORTOCAN: Palancas Negras vence Mauritânia por 3-2 Angola cimenta liderança do grupo...

CAN: Palancas Negras vence Mauritânia por 3-2 Angola cimenta liderança do grupo D

A Selecção Nacional assegurou a liderança do grupo D, este sábado, depois de um triunfo, por 3-2, diante da Mauritânia, no Campeonato Africano das Nações (CAN), no Estádio de la Paix, em Bouaké, na Côte d’Ivoire.

 

Angola alinha com Neblú, Eddie Afonso, Kialonda Gaspar, Jonathan Buatu, Núrio Fortuna, Show, Freddy, Zini, Gilberto, Gelson Dala e Mabululu.

A Mauritânia actua com Babacar Niasse, Keita, Ba, El Abd, Aly Abeid, Fofana, Gassama, Mohsine, Amar, P.Ba e Koita.

Começa a partida.

Aos três minutos, um remate ao lado de Aly Abeid para a Mauritânia.

Aos cinco minutos, Kialonda Gaspar cabeceia por cima após um canto.

Aos 12 minutos, Mabululu dispara para defesa de Babacar Niasse.

Os Palancas Negras carregam na fase inicial, mas os mauritanianos defendem bem.

Aos 14 minutos, Zine remata sem perigo.

Aos 16 minutos, Pape Ba cabeceia por cima da baliza de Neblú.

Aos 25 minutos, paragem para hidratação.

Aos 29 minutos, Pape Ba perde a oportunidade de abrir o activo com uma mancha perfeita de Neblú.

Aos 30 minutos, Gelson Dala faz o golo de Angola! Na sequência de um canto, com pontapé acrobático que ainda bateu na relva.

O árbitro dá quatro minutos de desconto.

Aos 45+1, Omaré Gassama disparou um míssil, porém Neblú voou e fez uma grande defesa para negar o segundo aos mauritanianos.

Aos 45+3, Gilberto faz um falhanço inacreditável com a baliza toda para si.

Pouco depois, Sidi Amar faz uma jogada individual em que passa por todos e marca o golo do empate.

Angola e Mauritânia vão para os balneários com a sensação de que tanto um como o outro podia ir em vantagem, mas ambas não conseguiram concretizar. Por isso está tudo empatado. Os Palancas Negras dominaram a posse de bola e atacaram várias vezes, mas tal como os adversários, os remates à baliza não resultaram em mais golos. A segunda parte promete.

Recomeça a partida.

Ao intervalo, o técnico da Mauritânia, Amir Abdou lança Aly Abeid para a entrada de Khadim Diaw.

Aos 50 minutos, Gelson Dala faz uma bela incursão e está feito o bis!

Aos 53 minutos, Gilberto amplia a vantagem com um remate que ainda toca no jogador da Mauritânia.

Aos 58 minutos, Aboubakary Koita finta Fredy e dispara para o fundo das redes com um grande golo.

Aos 59′, os Leões de Chingetti vão mexer, Aboubakar Kamara vai para o lugar Guessouma Fofana e Souleymane Doukara rende Pape Ba.

Aos 61 minutos, Pedro Gonçalves tira Zine por Keliano.

Aos 70 minutos, Aboubakary Koita remata ao lado.

Aos 72 minutos, Sidi Amar dispara também ao lado.

Aos 73 minutos, Gelson Dala testa Niasse com um bom remate.

Aos 74 minutos, Fredy atira por cima tal qual como no encontro com a Argélia.

Aos 75 minutos, Mouhshine remata por cima.

Aos 78′, Zito Luvumbo substitui Gilberto.

Aos 82 minutos, Sidi Amar vai descansar após questões musculares por Hemeya Tanjy.

Aos 86 minutos, mudanças no combinado nacional, saem Fredy e Gelson Dala por Estrela e Kinito.

O árbitro dá seis minutos de desconto.

Aos 90+5, Núrio Fortuna vê amarelo e vai falhar o encontro com o Burkina Faso.

Termina a partida.

A Selecção Nacional lutou pela vitória e alcançou o triunfo e a liderança do grupo D com toda a justiça. A Mauritânia foi mais eficaz e causou ainda algumas dores de cabeça aos pupilos de Pedro Gonçalves. Mas no final, os Palancas Negras estão bem posicionados para o último duelo com o Burkina Faso.

Com este resultado, Angola soma quatro pontos, os mesmos do que o Burkina Faso, mas com mais golos, com quem vai jogar no próximo embate. Por sua vez, a Mauritânia vai ter de depender da possibilidade de ser repescada em caso de vitória com a Argélia, que também não pode perder.