Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeNOTÍCIASSAÚDESurto de Varíola na RDC: Governo decreta Estado de Emergência

Surto de Varíola na RDC: Governo decreta Estado de Emergência

O Ministério da Saúde comunicou, através de uma nota, a ocorrência de um surto de uma doença denominada Varíola do Macaco, nas Repúblicas vizinhas da RDC e do Congo Brazzaville, um vírus transmitido aos seres humanos a partir de macacos e roedores e que se manifesta através de febre, dor de cabeça, fadiga, dor muscular, íngua, feridas e outras lesões na pele, com um período de incubação que varia de 5 a 21 dias.

Angola, até ao momento, não registou nenhum caso da referida doença.

Entretanto, o Ministério da Saúde acompanha atentamente a evolução da doença nos países vizinhos. Como medida de precaução, reactivou o Plano Nacional de Contingência para o Controlo da Varíola do Macaco para a implementação de acções de prevenção e resposta rápida de um provável surto da doença.

O Plano orienta como principais medidas de vigilância epidemiológica: Detectar precocemente, investigar e confirmar todos os casos suspeitos, bem como a identificação dos contactos; avaliar e monitorizar a propagação e evolução da epidemia, assim como a eficácia das medidas de controlo.

Face a situação, o Ministério da Saúde orienta as seguintes medidas preventivas:

Lavar frequentemente as mãos com água e sabão ou desinfectar com álcool gel.

Não caçar, nem comer a carne de macacos e roedores (ratos,
camundongos e esquilos).

Evitar a exposição directa com a carne e sangue destes animais.

Evitar o contacto físico com pessoas que apresentem os sinais e sintomas acima referidos, bem como materiais e utensílios por eles
usados (vestuário, roupas de cama, toalhas, pratos, copos, talheres,
etc).

Usar luvas e roupas apropriadas durante o manuseio dos animais nos procedimentos de abate.

Em caso de detectar algum dos sintomas acima, dirigir-se imediatamente à unidade de saúde mais próxima.