Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeÁFRICASúbitas cheias no Afeganistão fazem mais de 300 vítimas, só numa província

Súbitas cheias no Afeganistão fazem mais de 300 vítimas, só numa província

Laqayi, Afeganistão – Mais de 300 pessoas pereceram em consequência de súbitas cheias ocorridas na província setentrional de Baghalan no Afeganistão, de acordo com o anúncio feito este sábado 11 de Maio por uma agência da ONU à AFP, enquanto o estado de emergência é decretado em todo o nordeste do país.

Com EFP

“Podemos confirmar, com base nas informações disponíveis, que 311 pessoas foram mortas na província de Baghlan”, disse Rana Deraz, porta-voz do Programa Alimentar Mundial (PAM), acrescentando que pelo menos “2.011 casas tinham sido destruídas e 2.800 danificadas”.

O número de vítimas é ainda provisório e não constitui unanimidade. Todavia o ministério da Defesa afegão anuncia que o estado de emergência fora decretado nas vastas regiões do nordeste atingidas pelas graves cheias.

Ainda sem dar quaisquer números, um porta-voz do ministério do Interior do governo taliban disse à AFP que “Muitas pessoas estavam desaparecidas“.

A dimensão do desastre explica-se em parte pelo facto ds pessoas terem a tendência em preferir habitar junto de linhas de água, conforme explicações à AFP, de um responsável do gabinete da ONU para os Assuntos Humanitários, OCHA.

As inundações, nesta Primavera anormalmente chuvosa, atingiram também outras províncias do Afeganistão, considerado pelos cientistas especializados na matéria como um dos países mais vulneráveis às mudanças climáticas no mundo e, ao mesmo tempo, dos menos bem preparados para este tipo de consequências.

Um funcionário da Autoridade de gestão de desastres na província vizinha de Takhar, em Baghlan disse à AFP que “Além das perdas humanas, essas inundações causaram perdas financeiras gigantescas“.

O relator especial da ONU para os Direitos Humanos no Afeganistão, Richard Bennett, disse no X (antigo Twitter) que as inundações “eram um sinal claro da vulnerabilidade do Afeganistão face às crises climáticas“.

Quanto à porta-voz da União Europeia, Nabila Massrali, disse estar “chocada” com a perda de “centenas de vidas“.

Desde meados de Abril, cheias súbitas já tinham vitimado cerca de 100 pessoas em dez províncias do país, e nenhuma região foi poupada.