Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Mulher de 49 anos suspeita de queimar sobrinha

A Polícia Nacional em Luanda deteve, no Distrito da Camama, município de Talatona, uma mulher, de 49 anos, por supostamente ter queimado a sobrinha,...
HomeTECNOLOGIAUE. China domina a crescente indústria mundial de tecnologias limpas

UE. China domina a crescente indústria mundial de tecnologias limpas

O objetivo da UE de aumentar a capacidade de produção nacional de tecnologias que apoiam a transição para energias limpas enfrenta uma forte concorrência da China.

O investimento em tecnologias limpas, como a energia solar fotovoltaica (PV), baterias, energia eólica, eletrolisadores e bombas de calor, aumentou 70% no ano passado, sendo a China responsável por três quartos dos investimentos globais, de acordo com um relatório publicado hoje (6 de maio) pela Agência Internacional da Energia (AIE) que avalia o ritmo de fabrico de tecnologias limpas.

A China detém mais de 80% da capacidade global de fabrico de módulos solares fotovoltaicos e de produção de baterias e é o maior exportador mundial de baterias para veículos elétricos, representando cerca de 70% do total das exportações em 2023. O gigante asiático controla atualmente cerca de 90% da capacidade global de materiais ativos de cátodo e mais de 97% da capacidade de materiais ativos de ânodo – componentes de bateria essenciais para a produção de baterias de iões de lítio de alta qualidade necessárias para a produção de veículos elétricos ou sistemas de armazenamento de energia.

Embora a UE e os EUA representem, cada um, 5% da produção de baterias, a AIE prevê que a capacidade acumulada por estas três regiões, incluindo a China, se mantenha acima dos 90% até 2030.

Os baixos custos laborais e os subsídios estatais mantêm a China na vanguarda da corrida às tecnologias limpas. As instalações de fabrico de baterias, energia eólica e energia solar fotovoltaica são normalmente 70% a 130% mais caras de construir nos EUA e na Europa do que na China, sugere o relatório da AIE, com base em avaliações de mais de 750 instalações. Consequentemente, os custos dos módulos solares fotovoltaicos são cerca de 35-65% mais baixos na China do que na Europa ou nos EUA.

A Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse hoje ao Presidente chinês, Xi Jinping, que a relação entre a UE e a China foi “posta em causa devido à sobrecapacidade induzida pelo Estado, à desigualdade no acesso ao mercado e à sobredependência”, questões que serão discutidas pelos líderes da UE e Xi durante uma reunião oficial em Paris.

Fatih Birol, diretor executivo da AIE, afirmou que ainda é necessário um maior investimento em algumas tecnologias e que a produção de energia limpa “poderia ser mais alargada” em todo o mundo. Dries Acke, diretor executivo adjunto da SolarPower Europe, sediada em Bruxelas, considera que a concentração do fabrico de energia solar fotovoltaica numa única região constitui um “risco notável” e que o atual excesso de oferta de painéis solares “ameaça a estabilidade do mercado”.

Jules Besnainou, diretor executivo da Cleantech for Europe, reconheceu a dificuldade da UE em expandir as tecnologias limpas, apesar de ser pioneira na inovação.

“Entre a concorrência desleal da China e um mercado norte-americano cada vez mais subsidiado, temos de acelerar o nosso jogo. Isto começa com uma focalização no aumento da capacidade de produção em sectores estratégicos onde ainda temos liderança tecnológica, e com os instrumentos de redução de riscos adequados para utilizar o financiamento público para obter o máximo impacto”, disse Besnaiou à Euronews

O deputado Christophe Grudler (França/Renew Europe) disse que a UE não se pode dar ao luxo de ficar totalmente dependente da China para estas tecnologias estratégicas, referindo-se à “Net-Zero Industry Act” (NZIA), ou Regulamento Indústria de Impacto Zero,  como uma solução para incentivar a produção na Europa.

“Temos de responder à concorrência desleal. Louvo o trabalho da Comissão, que está agora a investigar vários subsídios chineses potencialmente ilegais, por exemplo, nos veículos elétricos e na energia eólica“, disse Grudler à Euronews.

O eurodeputado francês sugeriu o alargamento do mecanismo de ajustamento das fronteiras do carbono aos produtos acabados e a adoção de uma abordagem menos ingénua em relação ao domínio económico chinês.