Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeMERCADOCabinda: Empresas operadoras de transporte público devem 300 milhões de kwanzas

Cabinda: Empresas operadoras de transporte público devem 300 milhões de kwanzas

Cerca de 300 milhões de kwanzas é o valor da dívida que os operadores de transporte público, na província de Cabinda, contraíram ao Estado, por incumprimento do pagamento das parcelas mensais para a compra de autocarros.

A denúncia foi feita sábado pelo vice-governador provincial para o sector Político e Social, Miguel de Oliveira, no final de uma operação policial que resultou na apreensão de oito autocarros, por incumprimento contratual.

“O não cumprimento das cláusulas do contrato por parte de alguns operadores obrigou o governo provincial accionar os órgãos policiais a reter os autocarros, para forçar os proprietários a honrar os seus compromissos”, clarificou.

Sem citar as empresas devedoras, o dirigente disse que as 23 empresas seleccionadas, por via de concurso público, para gerirem a frota de 64 autocarros do Estado, uma parte dos operadores “nunca pagaram qualquer prestação da dívida”, avaliada em 400 mil kwanzas por mês, conforme foi estabelecido no contrato.

A par disso, Miguel de Oliveira explicou que algumas empresas furtam-se dos acordos e alugam os autocarros às operadoras do sector petrolífero, ao invés de estarem ao serviço da população e melhorarem a mobilidade urbana na província.

Segundo o vice-governador, no acto de assinatura de contrato entre a secretaria provincial dos Transportes e Mobilidade Urbana e as operadoras do sector foram traçadas rotas, mas infelizmente ainda verifica-se grandes enchentes de passageiros nas paragens definidos para os autocarros.

Perante esse quadro, prometeu que o Governo provincial vai accionar os órgãos de justiça, no sentido de se rescindir os contratos com as empresas que insistem no incumprimento.