Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Projeto Político Partido Liberal

Projeto Político Partido Liberal A Juventude Africana como Protagonista do Futuro do Continente. Em um dia como hoje, celebramos o Dia da África, uma data de...
HomeNOTÍCIASRevelações Explosivas no Porto de Luanda e o Epicentro de um Escândalo...

Revelações Explosivas no Porto de Luanda e o Epicentro de um Escândalo Nacional que envolve Conflitos de Interesse, Amor e Poder

No coração de Luanda, um drama de proporções épicas se desdobra, revelando uma trama densa de conflitos de interesse, práticas empresariais questionáveis, e uma teia de relações amorosas e políticas que entrelaçam os destinos de João Fernandes, Administrador Comercial do Porto de Luanda, Willy Guimarães, Administrador de Transportes e Infraestruturas, César Ferreira, antigo Director do Gabinete do Ministro dos Transportes, Ricardo Abreu, agora acomodado nas regalias e benesses de Administrador do Porto de Luanda, e Aurora Santos, Directora de Compliance. Todos eles têm em comum o facto de terem estado directamente envolvidos no processo que levou a DPWL a ganhar o concurso de concessão do Terminal Multiuso e por serem todos da confiança do ministro. Ao transitarem para o Porto de Luanda, é na sua gestão que o Terminal Multiuso, operado pela DP World Luanda (DPWL), tornou-se o cenário de estratagemas de despedimentos controversos, alegadamente justificados por necessidades de reestruturação, mas percebidos como manobras para favorecer interesses obscuros. João Fernandes, César Ferreira, Willy Guimarães, Aurora Santos e outros comparsas têm sido vistos, vezes sem conta, nos escritórios da DP World, no Hotel Presidente, e no Escritório de Advogados Cuatrecasas, em frente ao Porto de Luanda, indicando o envolvimento do Ministro dos Transportes nas acusações de que o concurso de concessão não foi transparente.

Fonte: Club-k.net

João Fernandes, Aurora Santos, César Ferreira e Willy Guimarães, saídos respectivamente do Ministério dos transportes, da Comissão de Avaliação do Concurso e da Unicargas para posições de gestão no Porto de Luanda, agora estão com a faca e o queijo na mão para controlarem os seus interesses. Caso para dizer que o crime compensa.

João Fernandes e Aurora Santos têm relação amorosa há algum tempo, estabelecendo assim uma relação de promiscuidade total, onde se cruzam o amor e o poder. Aurora tem no seu curriculum a façanha de ter deixado cair um administrador, Mário Silva, com quem tinha relação amorosa.

A Estratégia Jurídica: Escritório de Advogados Cuatrecasas no Centro das Atenções

Auxiliando essas manobras, o escritório de advocacia Cuatrecasas, trazido para Angola por João Fernandes e Aurora Santos, e posicionado estrategicamente no edifício do Hotel Presidente, em frente ao Porto de Luanda, serve como braço jurídico que facilita os interesses junto da DPWL e dá assessoria jurídica aos processos de despedimentos de centenas de cidadãos angolanos. A localização não é mera coincidência, colocando-os a passos da sede da DP World e permitindo um fluxo constante de influências e decisões que afectam a vida de centenas de trabalhadores. É por isso que membros da gestão do Porto de Luanda facilmente atravessam a estrada para encontros no Hotel Presidente.

Despedimentos e Denúncias: A Sombra dos Negócios

As denúncias se estendem aos despedimentos no Terminal Multiuso, assistidos pelo escritório de advogados que não só atende os interesses de João Fernandes e pares, mas também se encontra no cerne da cobertura legal dos estratagemas de despedimentos dos trabalhadores angolanos e acções judiciais que serão movidas contra o Porto de Luanda (algumas já em curso). As consequências desses despedimentos, sob a bandeira de reestruturação e mútuo acordos, levantam suspeitas sobre a verdadeira motivação por trás das decisões administrativas da DP World, colocando em dúvida a ética empresarial em jogo. Aliás, João Fernandes tem experiência suficiente de tirar proveito dos processos judiciais. Nos tempos idos, como Director Jurídico do Porto de Luanda, esteve envolvido em erros jurídicos propositados para levar a empresa a cometer erros e depois tirar dividendos das pesadas multas judiciais e contratação de advogados. Este é o cenário que se pretende montar para comer eternamente.

Inspecções Comprometidas: Conflitos de Interesse Revelados

O Chefe do Departamento de Inspecção do Porto de Luanda, António Rodrigues Domingos, com negócios próprios de estiva, segurança, limpeza de navios, etc., dentro dos terminais e na sede do Porto de Luanda, através da empresa ARONDS (iniciais do seu próprio nome), movimenta-se de terminal em terminal e de gabinete em gabinete de directores e administradores seus assalariados para cobrar o pagamento de facturas. Para mostrar que tem poder, gaba-se e alega representar interesses do MPLA e do Palácio Presidencial. Vezes sem conta também diz ser o financiador dos finais de semana de António Bengue, PCA do Porto de Luanda. Existem gravações que podem ser disponibilizadas caso as autoridades solicitem. Há provas de assalariados, cujo pagamento é feito em forma de presente e entregue pelos gestores de conta dos bancos Sol e BIC. Os nomes também serão expostos.

Esta situação do inspector comerciante do Porto de Luanda adiciona outra camada de complexidade ao já tumultuado cenário, comprometendo a integridade e a imparcialidade das inspecções necessárias para garantir a transparência e a justiça operacional. Há alegações dentro do Porto de que ele atende aos apetites patéticos de todos os decisores, do topo à base, tendo conseguido comprometer tudo e todos.

O Silêncio das autoridades: Uma Falha de Comunicação grave

A crítica pública dentro do Porto, e não só, se intensifica contra as autoridades (IGAE, SIC PGR, Ministério dos Transportes, etc.), acusados de falhar em informar ao Presidente da República sobre as irregularidades e conflitos de interesse. Esta omissão grave de comunicação, apesar da presença de representantes dos órgãos citados, sugere uma rede de complicações e interesses que transcendem as operações portuárias, questionando a eficácia das instituições estatais angolanas em proteger e promover a justiça e a integridade.

UNICARGAS: O Próximo Campo de Batalha

As atenções se voltam agora para o Terminal Polivalente, atualmente conhecido como UNICARGAS, com promessas de gestão por um grupo Árabe de Abu Dabi. Este desenvolvimento promete ser o próximo capítulo na saga do Porto de Luanda, possivelmente replicando ou, idealmente, corrigindo os padrões de conflitos de interesse e práticas questionáveis que marcam as várias gestões. A nossa redacção tem a lista de empresas e negócios já na forja, bem como os interesses e nomes por trás.

A comunidade angolana e observadores internacionais aguardam com batedores de ansiedade as próximas revelações e desenvolvimentos, esperando que a luz da justiça e da transparência possa finalmente brilhar sobre o Porto de Luanda, restaurando a fé na gestão e na ética empresarial em Angola.