Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeMUNDONavio com bandeira portuguesa apreendido pelo Irão no Estreito de Ormuz por...

Navio com bandeira portuguesa apreendido pelo Irão no Estreito de Ormuz por estar “ligado a Israel”

Cargueiro estava a ser transferido para águas territoriais do país iraniano. Um navio cargueiro com bandeira portuguesa, o MSC Aries, foi atacado por um helicóptero perto do estreito de Ormuz, entre os Emirados Árabes Unidos e o Irão, este sábado, avança o The Guardian.

Lusa

Segundo a Reuters, que cita a agência noticiosa estatal iraniana IRNA, a Guarda Revolucionária do Irão apreendeu o navio, que disse estar “ligado a Israel” e que estava ser transferido para águas territoriais do país. Um helicóptero das forças especiais da marinha dos Guardas subiu a bordo do navio e apreendeu-o.

A agência norte-americana Associated Press (AP) tinha inicialmente avançado que o navio envolvido no ataque deveria ter sido o MSC Aries, de bandeira portuguesa e associado à empresa internacional Zodiac Maritime, parte do grupo do bilionário israelita Eyal Ofer.

Posteriormente, a agência de notícias Tasmin, associada à Guarda Revolucionária, confirmou que o navio assaltado foi o MSC Aries, referindo-se ao mesmo como um barco “associado ao regime sionista”.

O ataque surge no âmbito de um escalar de tensões entre o Irão e o ocidente.

De acordo com o jornal, o funcionário da defesa do Médio Oriente atribuiu as culpas do ataque ao Irão.

Desde 2019 que o Irão tem sido acusado de estar envolvido em vários assaltos e ataques a navios na zona do golfo de Omã, por onde passa cerca de um quinto de todo o petróleo comercializado no mundo.

As tensões, marcadas nos últimos seis meses pela guerra entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza, subiram recentemente com um bombardeamento a 01 de abril ao consulado iraniano em Damasco, na Síria, que matou altos funcionários militares iranianos, e que foi atribuído a Telavive.

Em atualização