Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeÁFRICACandidatos eleitorais no Senegal acusam Macky Sall de instaurar crise política no...

Candidatos eleitorais no Senegal acusam Macky Sall de instaurar crise política no país 

Dezasseis dos 19 candidatos presidenciais senegaleses acusaram o Presidente, Macky Sall, de sabotar as eleições e de não as organizar, apesar de o Conselho Constitucional senegalês ter declarado ilegal o adiamento do escrutínio, na semana passada. 

“Constatamos que as operações eleitorais estão a ter dificuldades em retomar o seu curso normal, apesar da decisão do Conselho Constitucional que exige a sua continuação”, afirmaram os candidatos presidenciais numa declaração conjunta na terça-feira.

“É evidente que esta situação revela uma recusa do Presidente em assumir a sua missão soberana de organizar eleições livres e transparentes”, acrescentaram.

Os signatários sublinharam que, apesar de o Conselho Constitucional ter declarado na quinta-feira a ilegalidade do adiamento das eleições anunciado por Sall, inicialmente previstas para o próximo domingo, “notou-se uma lentidão inexplicável” e que “nada foi feito” para fixar uma nova data.

Entre os candidatos que assinaram a carta constam o antigo presidente da câmara de Dacar, Khalifa Sal, e o candidato Bassirou Diomaye Faye, atualmente detido, número dois do Patriotas Africanos do Senegal para o Trabalho, a Ética e a Fraternidade (PASTEF), partido dissolvido em julho de 2023, e Ousmane Sonko, o mais proeminente líder da oposição senegalesa, que também está preso e sem possibilidades legais de concorrer às próximas presidenciais.

O primeiro-ministro, Amadou Ba, candidato da coligação no poder Benno Bokk Yakaar (BBY), não se encontra entre os cossignatários.

“O caso do Senegal está na boca de toda a gente e mancha a imagem do nosso país, outrora considerado uma montra da democracia em África”, lamentaram os candidatos presidenciais.

O adiamento das eleições mergulhou o país numa grave crise política que compromete a reputação do Senegal como a democracia mais estável da África Ocidental.