Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeMUNDOONU pede fim às graves violações contra os direitos das crianças

ONU pede fim às graves violações contra os direitos das crianças

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o UNICEF metade dos refugiados da guerra na Ucrânia são crianças e adolescentes.

Após os ataques ocorridos no último dia 06 de janeiro, na Ucrânia, o Fundo das Nações Unidas para Infância da ONU, naquele país (UNICEF), pede o fim das graves violações contra os direitos das crianças. De acordo com relatos, 5 crianças foram mortas na região de Donetsk, 3 crianças ficaram feridas nas regiões de Dnipropetrovsk e Kherson. Uma escola foi danificada na região de Kharkiv. Pelo menos oito escolas e 10 unidades de saúde, incluindo uma clínica de obstetrícia, foram danificadas na última semana. Casas foram destruídas e milhões de crianças começaram o Ano Novo sob o som de sirenes e bombardeios, alimentando  o medo e a insegurança.

A Ucrânia entrou para a pole position no rancking das violações dos direitos das crianças com mortes ou mutilações. É o país com o maior número de casos de crianças mortas ou mutiladas, de acordo com o relatório da ONU, lançado em dezembro de 2023. Desde o início da guerra, 1.800 crianças foram mortas ou mutiladas.

Crianças são a metade dos refugiados da guerra na Ucrânia

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o UNICEF,  crianças e adolescentes são a metade dos refugiados da guerra na Ucrânia. Dois milhões de meninos e meninas têm chegado à Polônia, Romênia, Maldóvia, Hungria, Eslováquia e República Tcheca. Esta realidade favorece o tráfico humano e a exploração infantil.

Em todo o mundo, as crianças que vivem em áreas propensas a confrontos ou conflitos armados sofrem muito com a violência e as violações de seus direitos.  Na verdade, apesar de os grupos armados e as forças armadas serem obrigados pelo Direito Internacional Humanitário a proteger todos os civis, inclusive meninos e meninas, eles permanecem particularmente vulneráveis em tempos de guerra.

A ONU estima que, entre 2005 e 2020, mais de 226 mil violações graves contra crianças ocorreram em mais de 30 lugares em todo o mundo, da América Latina ao Oriente Médio, da África à Ásia.

Violações: assassinato, mutilação, recrutamento, ataques, estupro e sequestro

Para monitorar, prevenir e erradicar esses conflitos, o Conselho de Segurança da ONU identificou e condenou as 6 violações mais graves contra crianças em situações de guerra: mutilação,  assassinato, sequestro, recrutamento de meninos e meninas por forças e/ou grupos armados, ataques a escolas e hospitais, estupro e outros tipos de violência sexual e a negação de ajuda humanitária.

-20 graus célsius

Crianças de toda a Ucrânia foram forçadas a se refugiar em porões, abrigos antibombas e estações de metrô, muitas vezes no frio das primeiras horas da manhã. Para as crianças cujas casas foram danificadas ou destruídas, e para aquelas cujo acesso à eletricidade, aquecimento e água foi cortado, a situação é particularmente dramática, pois elas suportam temperaturas de até -20 graus Celsius.

Os efeitos da guerra na saúde mental das crianças

De acordo com a psicoterapeuta, Helen Mavichian, embora as crianças não tenham capacidade para entender os porquês geopolíticos, sociais ou econômicos do conflito, compreendem que algo de desagradável está acontecendo. “Principalmente aquelas acima dos 4 anos, conseguem compreender que existe uma briga entre países que está trazendo dor e perdas a elas e àqueles que amam”.

Já a psicóloga da Organização Medico Sem Fronteiras, que trabalhou na Palestina e na Siria, Ionara Rabelo, explica que “a guerra e o medo são capazes de afetar a capacidade de aprender, geram alterações na fala e fazem com que elas cresçam preparadas para revidar a qualquer conflito”.