Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Irregularidades dos documentos colocam fora do sistema 157 pensionistas da província do Cunene

Mais de cento e cinquenta pensionistas do Cunene não foram incorporados no sistema de pagamento por alegadas irregularidades dos documentos. By: Dino Manuel Os dados foram...
HomeÁFRICACidadãos guineenses detidos em Angola são agraciados pelo Presidente João Lourenço

Cidadãos guineenses detidos em Angola são agraciados pelo Presidente João Lourenço

No total, 23 cidadãos guineenses que estavam detidos em Angola por não terem papeis de residência, foram postos em liberdade esta sexta-feira 29 de Dezembro, pelas autoridades angolanas. A libertação dos indocumentados faz parte de um processo de legalização extraordinária de cerca de dois mil cidadãos guineenses em Angola actualmente sem papéis. 

O embaixador guineense em Angola, Apolinário Mendes de Carvalho explicou ao DI o culminar de um processo que já dura há dois anos.

Primeiro foi necessário restaurar o quadro das relações diplomáticas entre os dois países, para depois atacarmos esse assunto muito importante. Foi como resgatar a comunidade guineense de uma situação difícil para lhes oferecer todas as condições necessárias para uma inserção boa e eles poderem contribuir para a economia angolana, como têm feito até aqui mas agora, vão fazê-lo em melhores condições.

O Presidente da República de Angola apoiou esse processo, assim como o Presidente da República da Guiné Bissau, e trabalhamos em condições políticas bastante cofortáveis, mas havia todo um trabalho técnico de operacionalização que passou por muita coisa, incluindo a documentação dos guineenses.

Foi preciso permitir que eles tivessem passaporte e documentos. Necessário também sensibilizar muitos que estão no interior e que ali se acomodam e passam dez, vinte anos sem documentos. Estamos a apelar para que se assinalem e estamos com uma média de 700 processos quando a a estimativa é de mil, dois mil processos.

Conforme disse o embaixador Apolinário Mendes de Carvalho os 23 guineenses que estavam detidos já não vão ser expulsos de Angola como estava previsto.