Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

JOSÉ CALENGI, MANTÉM OS NÍVEIS DE CONFIANÇA E ASSEGURA QUE O EXECUTIVO VAI REALIZAR O COMPROMISSO DE ANGOLANO E DO PAÍS

Exclusivo : Falta de logística hábil e equipamento operacional tornam o adiamento de Canso Angola 2024 A falta da logística suficiente e equipamento operacional nomeadamente,...
HomeMUNDONATO reúne-se para reafirmar apoia à Ucrânia

NATO reúne-se para reafirmar apoia à Ucrânia

Os países membros da NATO reúnem-se a partir desta terça-feira, 9 de Julho, em Washington, para assinalar os 75 anos da Aliança Atlântico e reafirmar o apoio militar à Ucrânia.

Os países membros da NATO reúnem-se a partir desta terça-feira, 9 de Julho, em Washington, para assinalar os 75 anos da Aliança Atlântico e reafirmar o apoio à Ucrânia.

Os países membros da NATO reúnem-se a partir desta terça-feira, 9 de Julho, em Washington, para assinalar os 75 anos da Aliança Atlântico e reafirmar o apoio à Ucrânia.

A reunião da NATO começa hoje em Washington, nos Estados Unidos, um dia depois de salvas de mísseis russos atingirem várias cidades na Ucrânia.

Estes ataques vêm reforçar o apelo do Presidente ucraniano aos aliados ocidentais para obter mais sistemas de defesa anti-aérea. Volodymyr Zelenskyy, estará em Washington para realizar várias reuniões bilaterais e organizar um evento especial com o Presidente dos EUA, Joe Biden, para aliados e parceiros não pertencentes à NATO que assinaram acordos de segurança bilaterais com a Ucrânia.

Desafios da NATO

Para além do reforço do apoio à Ucrânia, o pacote de apoio deverá fixar uma ajuda dos aliados de 40 mil milhões de euros por ano- a NATO tem outros desafios como o conflito entre Israel e o Hamas em Gaza e o papel da China na cena internacional.

A cimeira que assinala os 75 anos da NATO será também a última do actual secretário-geral, Jens Stoltenberg, que terá como sucessor o ex-primeiro-ministro neerlandês, Mark Rutte. O secretário-geral da NATO pretende ainda continuar a fortalecer as parcerias globais da NATO “especialmente no Indo-Pacífico”, tendo convidado para a reunião os líderes da Austrália, Japão, Nova Zelândia e da Coreia do Sul.

Eleições nos EUA

A quatro meses das eleições presidenciais nos Estados Unidos, o Presidente Joe Biden, de 81 anos, quer provar que não só é capaz de derrotar o rival republicano Donald Trump, mas também de governar a principal potência militar mundial. Para além dos eleitores norte-americanos, Joe Biden terá também de tranquilizar os líderes dos 32 países da NATO.

“Os nossos aliados esperam a liderança americana”, e “quem mais poderia vir [no meu lugar], eu alarguei a NATO, tornei-a mais forte”, disse.

Os Estados Unidos ponderam dar um novo sistema Patriot à Ucrânia. Sem fornecer grandes detalhes, Joe Biden prometeu “novas medidas para fortalecer a defesa antiaérea da Ucrânia”.

NATO: “o grande inimigo” da Rússia

A Rússia afirmou que vai acompanhar com a “máxima atenção” a cimeira da NATO, considerando a Aliança Atlântica como “o grande inimigo”. A China denunciou as “calúnias” e os “ataques” da NATO, depois do secretário da Aliança Atlântica ter acusado Pequim de apoiar a invasão russa da Ucrânia na véspera de uma cimeira em Washington.

O chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, marca presença na cimeira da NATO em Washington, oportunidade para reafirmar o lugar no palco internacional onde os parceiros estão preocupados com um enfraquecimento da França que procura consensos para formar um Governo.