Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomePOLÍTICAUNITA acusa o Governo angolano de "desviar" aviões da TAAG sem prestar...

UNITA acusa o Governo angolano de “desviar” aviões da TAAG sem prestar contas

O presidente da UNITA acusou o Executivo angolano de ter desviado aeronaves da TAAG para servir noutros países sem se saber o paradeiro do dinheiro dos serviços prestados, sem especificar que aviões e que países, mas Cabo Verde é o único caso conhecido, com um Boeing 737-700.

Fonte: NJ

“Ouvimos dizer que o Presidente da República assinou um acordo nos Estados Unidos da América para aquisição de mais aeronaves do fabricante norte-americano Boeing. Onde é que estão os novos aviões que a TAAG comprou recentemente?”, questionou Adalberto Costa Júnior.

O líder do maior partido da oposição, que se encontra na província do Huambo, no âmbito da abertura da jornada comemorativa ao Dia do Deputado da UNITA, assinalado quarta-feira, 08, do corrente mês, disse ainda que não se sabe “para onde vai o dinheiro desses serviços”.

“Ouvimos dizer que alguns aviões recentemente comprados pela TAAG estão a trabalhar em alguns países e não sabemos por onde vai o dinheiro” acrescentou Adalberto Costa Júnior, frisando que são gastos milhões de dólares para aquisição de aeronaves pelo Executivo.

No que diz respeito à sua presença no Huambo, onde os deputados do seu partido estão para contactos de proximidade com o eleitorado e partilhar sobre a importância das autarquias, referiu que actividade dos deputados da UNITA na província do Huambo é o reconhecimento da importância desta região.

“Huambo é uma província que foi muito sacrificada pelo conflito armado, sendo, entretanto, necessário virar a página, pois a guerra acabou e é preciso construir uma Angola nova, desenvolvida e de dignidade para todos”, disse, frisando que vão trabalhar para partilhar a importância das autarquias locais, onde poderão se deslocar aos municípios, comunas e aldeias, para procurarem a proximidade com a população.