Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeMUNDODonald Trump considera julgamento uma "perseguição política"

Donald Trump considera julgamento uma “perseguição política”

Pouco mais de três anos depois de deixar a Casa Branca, Trump enfrenta a possibilidade de ter de cumprir uma pena de prisão, o que, se acontecer, não o impedirá de ser candidato às eleições presidenciais de 5 de novembro.

Lusa

O ex-presidente dos EUA e candidato presidencial republicano, Donald Trump, considerou esta segunda-feira que o julgamento contra si que se inicia em Nova Iorque é um “ataque contra a América” e uma “perseguição política”.

Pouco antes do início da audiência no tribunal de Manhattan – onde Trump responde por uma acusação de ter usado dinheiro da sua campanha presidencial de 2016 para obter o silêncio da atriz Stormy Daniels para encobrir um caso extramatrimonial – o candidato republicano repetiu que este processo judicial é uma “perseguição política” organizada pelo Governo do presidente democrata Joe Biden, que será seu adversário nas eleições presidenciais.

Pouco mais de três anos depois de deixar a Casa Branca, Trump enfrenta a possibilidade de ter de cumprir uma pena de prisão, o que, se acontecer, não o impedirá de ser candidato às eleições presidenciais de 5 de novembro.

“Os riscos são muito elevados, porque Trump e os seus advogados conseguiram até agora adiar outros julgamentos” — incluindo dois em que é acusado de tentativas ilegais de anular os resultados das eleições presidenciais de 2020 e um em que é acusado de ter guardado ilicitamente documentos confidenciais – explicou Carl Tobias, professor de Direito na Universidade de Richmond.

Dos quatro casos judiciais em que Trump está envolvido, contudo, este que decorre em Nova Iorque é o único que deverá ir a julgamento antes das eleições, de acordo com analistas.

O julgamento, no centro de Manhattan, realiza-se debaixo de um dispositivo de elevada segurança, esperando-se manifestações de protestos pró e anti-Trump, assim como a presença de jornalistas de todo o mundo, apesar de as audiências não serem televisionadas.

Indiciado por 34 falsificações de documentos

Esta segunda-feira, realiza-se a seleção dos 12 jurados que serão responsáveis por declarar, por unanimidade, se Donald Trump será considerado culpado ou inocente – um processo que poderá demorar vários dias.

Pelo menos uma centena de residentes de Manhattan estarão reunidos na sala do tribunal, onde terão de responder a um longo questionário sobre as suas filiações políticas, e as suas simpatias, ou não, por Donald Trump.

Trump é indiciado por 34 falsificações de documentos de contabilidade da sua empresa, a Trump Organization, que alegadamente pretendia ocultar, sob o pretexto de honorários de advogado, pagamentos feitos na reta final das eleições presidenciais de 2016 para comprar o silêncio de Stormy Daniels.

Manobras fraudulentas antes das eleições presidenciais?

Por 130 mil dólares (pouco mais de 100 mil euros), a atriz de filmes pornográficos concordou em manter silêncio sobre uma relação sexual com o bilionário republicano 10 anos antes, quando este já era casado com Melania Trump.

Donald Trump sempre negou esta relação e a sua defesa pretende demonstrar que os pagamentos foram realizados no âmbito da sua esfera privada.

Contudo, a acusação – liderada pelo procurador Alvin Bragg, eleito como democrata – quer demonstrar que houve de facto manobras fraudulentas para ocultar informações aos eleitores poucos dias antes da eleição presidencial, que foi vencida por Trump, por margem estreita, frente à candidata democrata Hillary Clinton.

Um dos desafios do julgamento será determinar o que Donald Trump sabia sobre estes pagamentos quando ocorreram.

O seu ex-advogado pessoal, Michael Cohen, que pagou o dinheiro a Stormy Daniels — na versão daquele, a pedido do seu chefe — e já foi condenado em tribunal federal por este caso, será uma das testemunhas-chave da acusação.

A defesa pretende denegrir a imagem desta testemunha, que se tornou inimiga de Donald Trump e que também foi condenada por mentir perante o Congresso norte-americano.