Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Projeto Político Partido Liberal

Projeto Político Partido Liberal A Juventude Africana como Protagonista do Futuro do Continente. Em um dia como hoje, celebramos o Dia da África, uma data de...
HomeMUNDOJogos de poder no conclave de 2005. Papa Francisco revela segredos da...

Jogos de poder no conclave de 2005. Papa Francisco revela segredos da Capela Sistina

Pela primeira vez, um Papa revela segredos da Capela Sistina e para dizer que foi usado por quem não queria Bento XVI.

Jogos de poder no conclave de 2005. Papa Francisco revela segredos da Capela Sistina
Foi a notícia que marcou o dia de Páscoa e que, de alguma forma, ofuscou toda a doutrina pregada na Missa Solene da Praça de São Pedro. No livro-entrevista ‘O Sucessor’, de Javier Brocal, o Papa Francisco revela que, no conclave de 2005, houve cardeais que o tentaram usar para impedir a eleição de Joseph Ratzinger (Bento XVI).

Nunca, até hoje, um Papa tinha revelado o que quer que fosse sobre essa ultrassecreta reunião de cardeais, na Capela Sistina, destinada à eleição do líder da Igreja.

E, para além de revelar pormenores, Francisco expõe interesses, intrigas, esquemas obscuros e jogos de poder, nada consentâneos com a ideia de que o Papa é eleito segundo indicação do Espírito Santo.

“Eu tinha 40 dos 115 votos. Se continuassem a votar em mim, Ratzinger não seria eleito. Disseram-me que não queriam um Papa estrangeiro. Era uma manobra completa. Então, disse ao cardeal colombiano Darío Castrillón: ‘Não brinques com a minha candidatura. Vou hoje mesmo dizer que não aceito.’ E foi aí que Bento foi eleito”, revela o Papa Francisco, acrescentando que saiu “muito feliz” de toda esta situação.

“A ideia era bloquear Ratzinger. Estavam a usar-me, mas por trás de mim já estavam a pensar em propor outro cardeal”, explicou.

O Papa argentino, que acabou por ser eleito em 2013, confirma que era o preferido de parte dos cardeais para suceder a João Paulo II, mas que lutou pela eleição de Bento XVI, “porque, nessa altura, era necessário um Papa de transição”.

Sorridente e bem-disposto, Francisco celebrou missa e saudou os fiéis
Foi acertada a estratégia dos médicos do Vaticano. Aconselharam o Papa, de 87 anos, a não marcar presença, na sexta-feira à noite, na longa Via-Sacra do Coliseu de Roma e, dessa forma, conseguiu presidir à Vigília Pascal, no sábado, e à Missa de Páscoa, na manhã deste domingo.

No sábado, entregou as leituras rituais aos cardeais concelebrantes, mas proferiu a homilia, perante os mais de seis mil fiéis presentes.

Este domingo, apesar de se deslocar em cadeira de rodas, por causa dos problemas no joelho direito, Francisco apareceu em aparente boa forma e, sobretudo, muito sorridente e bem-disposto.

Presidiu à Missa Solene da Páscoa, numa praça muito florida e repleta de fiéis e, no final, percorreu toda a área em papamóvel, saudando os presentes, que não se cansaram de aplaudir.

Ao meio-dia, subiu à varanda da catedral, para a bênção ‘Urbi et Orbi’ e, uma vez mais, saudou a multidão.

Patriarca de Lisboa evoca 50 anos do 25 de Abril

Na Missa de Páscoa, este domingo, na Sé de Lisboa, o Patriarca, D. Rui Valério evocou os 50 anos do 25 de Abril, lembrando que, no nosso país, a conquista da democracia aconteceu em tempos de Páscoa. “Também Portugal, há precisamente cinquenta anos, e em pleno tempo pascal, saiu à rua para operar uma mudança que trouxe a democracia e deu voz e vez ao povo”, disse o prelado, perante uma sé repleta.
Com CM