Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Amnistia Internacional exige respeito ao direito de protestos em Luanda

A Amnistia Internacional lembra que as autoridades angolanas devem respeitar os direitos dos manifestantes em Luanda durante a manifestação prevista para 22 de junho...
HomeNOTÍCIASVeteranos de geurra se contentam e contam o bom e o mau...

Veteranos de geurra se contentam e contam o bom e o mau que recebem

Chamam-nos de “confusionistas”, diz um antigo combatente

Na província angolana da Huíla na região Sul do País, perante um contexto económico e social de dificuldades, antigos militares tentam reerguer-se através de alguns programas de reintegração social implementados pelas autoridades.

Fonte: VOA

Mas há ainda queixas quanto à falta de apoio e também sobre os insultos que recebem quando tentam reivindicar os seus direitos.

João de Deus Dala lidera a cooperativa agrícola 15 de Janeiro, que reúne 29 associados no município da Matala. Depois de receber sementes de milho e massango em plena época agrícola, lembra que é preciso ir além da agricultura de sequeiro, que depende totalmente das chuvas.

“Precisamos agora de um terreno regadio que facilite que, em todas as épocas, possamos trabalhar a terra e pouco a pouco vamos andando”, afirmou.

Elias Sangombo é deficiente de guerra e acaba de receber das autoridades uma motorizada de três rodas que vai empregar no serviço de transporte de mercadorias. “Esta moto vai mudar a vida da família e a minha em particular”, disse.

Silvestre Martins, também antigo combatente, recorda com tristeza a forma como são conotados quando tentam reivindicar melhores condições de vida. Dizem “que o antigo combatente é confusionista. Mas como e porquê? Isso é triste no nosso país”, afirmou.

Francisco Araújo, outro antigo militar, revela que a luta agora é pela sobrevivência. “Eu, deficiente de guerra, com uma perna amputada, estou a usar prótese para levar sacos de cimento. Quando aqueles que têm duas pernas não conseguem eu digo que não estou a sobreviver estou a ajudar os outros a viver.”, conta.

O governo, que reconhece a contribuição destes homens e mulheres na libertação do país, diz ter políticas públicas traçadas para acudir às dificuldades vivenciadas por este grupo vulnerável, mas que encontram entraves na sua implementação devido à actual conjuntura económica.

A directora do gabinete provincial dos antigos combatentes e veteranos da pátria, Verónica Rito, acredita, ainda assim, em dias melhores.

“Devemos ganhar a cultura de valorizar os apoios que nos chegam às mãos, mesmo que poucos, fazendo-os render ou crescer para que amanhã seja também a vez do outro e assim construir um país onde cada angolano se sinta bem”, concluiu a responsável.