Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeÁFRICASADC retira tropas de Moçambique

SADC retira tropas de Moçambique

Maputo (MOÇAMBIQUE) Tropas da África Austral Comunidade de Desenvolvimento, (SADC) deixará o condado 15 de julho devido a desafios financeiros. As tropas, conhecidas como Missão da SADC em Moçambique, SAMIM, apoie a guerra de Moçambique contra um islamista insurgência na província do Cabo, no norte do país Delgado ao lado da Defesa e Forças Ruandas (RDF).

by: Charles Mangwiro

O (SAMIM), que é composto por oito países do região, está em Cabo Delgado desde Julho de 2021 e, e em Agosto de 2023, a SADC aprovou a extensão da Missão SAMIM por mais 12 meses, até julho de 2024, prevendo um plano para a retirada progressiva de forças dos oito países da região.

Os oito países da SADC que compõem o SAMIM são Angola, Botsuana, República Democrática do Congo, Lesoto, Malawi, África do Sul, República Unida do Tanzânia e Zâmbia.

A SADC confirmou a retirada num comunicado.

Esta é a primeira vez que a SADC confirma publicamente a retirada devido a desafios financeiros e que o processo já está em andamento, porém a situação ocorre em um momento em que o terrorismo ganhou um novo impulso, com relatos de ataques a comunidades, posições do

Forças de Segurança da Defesa e uma série de decapitações desde o início deste ano.  Entretanto, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse que o seu país continuará a trabalhar com todos os países da SADC individualmente e está aberto à cooperação bilateral com outros países amigos, se justificado.

“Tudo indica que o dia 15 de julho poderá ser considerado como uma data em que eles se retirarão completamente. Mas em entretanto, nós, como país, continuaremos a intensificar

nossos esforços junto com os países que se oferecem para trabalhar bilateralmente connosco, em caso de necessidade, mas também trabalharemos com todos os países da SADC individualmente”, disse Nyusi aos jornalistas em Lusaka no sábado, depois de uma reunião com o seu representante zambiano homólogo, Hakainde Hichilema, que é o atual presidente do órgão da SADC sobre Cooperação Política, Defesa e Segurança à margem da Troika cume.

O Presidente Filipe Nyusi acrescentou: “Como moçambicanos, precisamos estar preparado para esta realidade. Não vamos nos distrair. O a maior responsabilidade cabe a nós. Todos nós precisamos estar unidos e focado”.

Desde 2017, a região Norte de Moçambique, rica em petróleo e gás, A Província de Cabo Delgado tem enfrentado um ataque armado insurgência que até agora deslocou mais de um milhão de pessoas deslocados internos e 5.000 outras pessoas mortas.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique e Cooperação, Verónica Macamo disse que a SADC tinha optou por priorizar a sua missão na República Democrática do Congo (RDC) acima do SAMIM.

A SADC, disse ela, acredita que a situação é relativamente estável quando comparado com a violência no leste RDC, onde mais de 120 grupos armados lutam para saquear a recursos naturais do país.

Segundo Macamo, dadas as suas limitações orçamentais, A SADC optou por dar prioridade à sua missão no República do Congo (RDC) acima do SAMIM.

Líder de projeto sênior no Instituto com sede na África do Sul pela Justiça e Reconciliação (IJR), Webster Zambarasurgiram várias questões que precisam ser abordadas em a Iminente Retirada Completa da Missão da SADM de Cabo Delgado em Moçambique.

“Alguém imploraria para perguntar se a paz e a segurança retornaram ao a província? Não, os militares moçambicanos têm agora a capacidade de lidar com a insurgência?, isso esperamos e veja”, disse Zambara.

Ele disse ainda, no entanto, que a presença contínua do As tropas ruandesas seriam um sinal claro de que Moçambique ainda precisa de assistência para lidar com insurgências. “Temos que reconhecer que as questões de paz e segurança são uma prerrogativa do governo de

Moçambique e para as tropas da SADC irem para lá no primeiro lugar junto com as tropas de Ruanda é um sinal de que Moçambique tem estado a lutar para lidar com a insurgência, agora que a contingência da SADC será saindo, não haverá vácuo, especialmente em um momento quando nas últimas semanas notamos um aumento na insurgência e ataques na província.

Pode ter sido a questão das finanças que está a ser citado, mas o que acontece então, no caso de ataques continuar a aumentar? A SADC não está a deixar os vulneráveis crianças e mulheres à mercê das insurgências e grupos terroristas? Esta será uma questão que precisamos olhar levando em consideração os eventos que acontecerão a partir de agora em diante”, disse Zambara.

Segundo Zambara, é necessário implorar a Governo moçambicano vai mostrar capacidade de defesa pessoas e proteger as pessoas vulneráveis, caso contrário, ser um exercício em que em breve mais mortes e ocorrerão deslocamentos e a SADC poderá ter que
reconsiderar esta decisão.

Gigantes do petróleo, Exxon Mobil e Total estão entre os grandes empresas internacionais de energia que desenvolvem gás natural projectos offshore no norte de Moçambique.