Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeMUNDOViúva de Alexei Navalny denuncia no Parlamento europeu "organização criminosa" de Putin

Viúva de Alexei Navalny denuncia no Parlamento europeu “organização criminosa” de Putin

Yulia Navalnaya, viúva do opositor russo Alexei Navalny, que morreu há quase duas semanas, discursou a 28 de Fevereiro no Parlamento europeu em Estrasburgo e acusou o Presidente, Vladimir Putin, de controlar uma “organização criminosa” e exigiu da União Europeia (UE) mais do que “declarações de preocupação”.

Face aos eurodeputados, Yulia Navalnaya acusou Vladimir Putin de controlar uma “organização criminosa” e, a dois dias do funeral do marido Alexei Navalny, admitiu ter receios quanto à cerimónia, marcada para sexta-feira, em Moscovo.

“O funeral é depois de amanhã, e ainda não sei se será pacifico ou se a policia virá deter quem estará presente para dizer um último adeus ao meu marido.”

Yulia Navalnya referiu-se depois ao contexto da guerra na Ucrânia para alertar sobre o carácter imprevisível do dirigente russo Vladimir Putin.

Passam dois anos desde que Putin lançou esta guerra em grande escala contra a Ucrânia, uma guerra brutal. O mundo inteiro precipitou-se para ajudar a Ucrânia mas dois anos passaram e há ainda mais sangue, exaustão e desilusão. Já foram experimentadas todas as soluções: armas, apoio financeiro, sanções, nada funcionou. E o pior é que nos habituámos à guerra. Algumas pessoas começaram a dizer que deveríamos chegar a um acordo com Vladimir Putin. E depois, Putin assassinou o meu marido Alexei Navalny. Alexei foi torturado durante três anos, deixaram-no esfomeado, isolado numa minúscula cela. Negaram-lhe qualquer acesso ao mundo exterior, proíbiram chamadas, visitas e, depois, até a correspondência foi proíbida. Por fim, mataram-no. Este homicídio mostra, mais uma vez, que Putin é capaz de tudo. E que não podemos negociar nada com ele.

Perante os eurodeputados, em Estrasburgo, Navalnaya apresentou um cenário: “muitos de vocês têm eleições este ano, vão fazer campanha, vão ser entrevistados, divulgar propaganda. Agora imaginem que não podiam fazer isso, que ninguém podia vos entrevistar, que seriam detidos apenas por estarem a fazer a vossa campanha… Bem-vindos à Rússia de Putin”.

Yulia Navalnaya disse ainda que o Presidente da Federação Russa é “o líder de uma organização criminosa” e relatou que a organização “inclui envenenadores e assassinos, que são apenas fantoches” dos oligarcas que apoiam Vladimir Putin.

“Farei o meu melhor para tornar realidade o sonho de Alexei: assistiremos à queda do mal e um futuro promissor virá” foram as últimas palavras do discurso de Yulia Navalnya, aplaudida pelo conjunto dos deputaods presentes no Parlamento, que se levantaram para a ocasião.