Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Presidente da República João Lourenço participa na Investidura de Azali Assoumani, Presidente da União das Comores

PRESIDENTE JOÃO LOURENÇO DISCURSOU HOJE NA CERIMÓNIA DE INVESTIDURA O Presidente da República de Angola, João Lourenço, também Presidente em Exercício da Comunidade para o...
HomeNOTÍCIASSOCIEDADEQuase metade da população de Angola vive na pobreza

Quase metade da população de Angola vive na pobreza

O Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) avisa que Angola terá pelo menos 17 milhões de pessoas na pobreza no próximo ano.

 

De acordo com a institutição da Universidade Católica de Angola, a taxa de pobreza tem vindo a crescer todos os anos, passando de mais de 12 milhões de pessoas (41,7%) em 2019 para mais de 16 milhões (49,4%), em 2022. Estima-se que esse número aumente para 49,8% no próximo ano.

O aviso do CEIC já mereceu a reação de membros da sociedade civil angolana

Para Fernando Sakwayela, coordenador do projecto Mãos Cidadãos, o que aconteceu nos últimos anos é uma transferência silenciosa da pobreza das zonas rurais para as zonas urbanas. “E sendo que as principais instituições concentram-se nos centros urbanos estão a admirados com a realidade”, afirma.

Sakwayela diz que não existe criação de condições para impedir o crescimento da pobreza, por isso, aconselha o Executivo a promover políticas que combatam a pobreza.

“É importante que o Governo encontre junto dos seus parceiros políticas capazes de promover o êxodo urbano, capazes de retirar as pessoas das cidades para o interior, e segundo a transferência de valores sociais, desenvolver imputes sociais capazes de fixar e radicar as pessoas no interior do país”, defende.

Rafael Morais, coordenador da SOS Habitat, uma organização que trabalha com pessoas vítimas de demolições e desalojamentos, disse que a pobreza em Angola deve-se a vários fatores, nomeadamente “a década de conflito armado, a má gestão dos recursos naturais, corrupção, desigualdades de rendas, falta de investimento, a educação, saúde e a dependência excessiva do petróleo como principal fonte de receita”.

Morais apela a um maior investimento na educação, na redução da corrupção e na criação de infraestruturas industriais. “Uma das soluções é o investimento na educação, estimular o empreendedorismo e a agricultara familiar, reduzir a corrupção ”, alerta.

Para Nelson Franscisco, ativista social, “as razões para o aumento da pobreza em Angola são, em primeiro lugar, o desemprego que não pára de crescer no seio da população, em particular da juventude, a falta de políticas públicas reais de apoio ao autoemprego e empreendedorismo, a falta de apoio ou financiamento às micro e pequenas empresas, a fraca diversificação económica e o aumento da inflação face ao salário mínimo nacional”.

Francisco conclui que “os programas hoje existentes não são capazes de atender a essa grande preocupação nacional de médio, curto e longo prazo, pois não passam de meras iniciativas política ou partidária com finalidade imediatista”.

O governo ainda não se pronunciou sobre as estimativas apresentadas.

C/ VOA