Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Projeto Político Partido Liberal

Projeto Político Partido Liberal A Juventude Africana como Protagonista do Futuro do Continente. Em um dia como hoje, celebramos o Dia da África, uma data de...
HomeNOTÍCIASSOCIEDADEMinistro da Agricultura apoia iniciativa da Carrinho no fomento agrícola nacional

Ministro da Agricultura apoia iniciativa da Carrinho no fomento agrícola nacional

Afirmação clara do Ministro da Agricultura, António Francisco de Assis, sobre o papel do Grupo Carrinho ao apoio aos camponeses através da Carrinho Agri, vem colocar por águas baixas às críticas de alguns grupos que, ao invés de conhecer as valências preferem denegrir a importância deste grupo privado que aos poucos vai mudar a vida de muitos agricultores.

O Ministro considerou justo quiçá exagerado o preço da compra proposto pelo Grupo Carrinho que varia entre 150 a 180 kwanzas e a Angola nunca teve isso em termos do preço do milho. Quando se inicia a colheita, o milho custa 50 kwanzas o quilo, na parte final da colheita sobe de 50 para 80 kwanzas e o Ministro de tutela afirma que nunca passou disso. “Começa a colheita com 150 kwanzas e está a chegar ao final do processo de colheita a 180 kwanzas. É o mercado, é uma relação estabelecida entre quem vai comprar e quem está a produzir”.

As mudanças, que estão a ser operadas em Angola, são duras, implicam sacrifícios. Estamos a sair de uma economia totalmente dependente do petróleo, para uma economia mais diversificada, livre, em que os operadores não podem viver à sombra da bananeira, têm de disputar o mercado. Só disputa quem tem bom preço, bom produto, em termos de qualidade e quantidade.

“Temos condições de ter produtores para disputarem o mercado? Temos! As famílias na Huíla venderam, no final da colheita, 18 mil toneladas de milho. Isto porque têm produtos, têm qualidade e tiveram preços, senão, ninguém comprava. Mas nós temos preferência pelo importado. São elementos que, para nós que governamos, nos preocupam”, disse o Ministro da Agricultura.