Become a member

Get the best offers and updates relating to Liberty Case News.

― Advertisement ―

spot_img

Camarões: lésbica, Brenda Biya revela sua homossexualidade

Nos Camarões, o jornalista e denunciante Remy Ngono expõe a orientação sexual da filha do presidente camaronês Brenda Biya. Esta última seria lésbica segundo...
HomeNOTÍCIASGoverno angolano gasta dinheiro em avaliação de instituições de ensino superior de...

Governo angolano gasta dinheiro em avaliação de instituições de ensino superior de saúde, mas esconde resultados

O Ministério do Ensino Superior (MES) angolano realizou, em 2023, uma avaliação das instituições de ensino superior públicas e privadas que formam na área da saúde. No entanto, os resultados da avaliação, aguardados com expectativa pela comunidade académica, ainda não foram divulgados.

 

Fonte: Club-k.net

 

As instituições avaliadas incluem as faculdades de Medicina da Universidade Agostinho Neto (UAN) em Luanda, Benguela, Huambo, Malanje, Cabinda e Huambo, além do Instituto PIAJET e da Universidade Privada de Angola (UPRA). A Escola do Exército, que também forma em medicina, não foi incluída na avaliação, o que levanta questões sobre a sua habilitação para ministrar o curso.

Fontes académicas revelaram que a avaliação consumiu um montante significativo de recursos do Estado, com a participação de técnicos nacionais e internacionais. No entanto, reina a incerteza sobre o destino dos resultados, com as próprias universidades desconhecendo o seu conteúdo.

“É preciso que as instituições saibam o que se passou de facto”, salientou uma fonte. “Não podemos nos dar ao luxo de gastar dinheiro e depois esconder os resultados que podem ajudar a melhorar a qualidade da formação médica no país e fornecer informações valiosas aos estudantes e seus encarregados de educação.”

O período de 30 dias previsto para a divulgação dos resultados, a partir de novembro de 2023, já expirou. O silêncio do MES e da ministra do Ensino Superior, Maria Sambo, alimenta o descontentamento da comunidade académica.

Enquanto os resultados da avaliação das instituições de saúde permanecem “escondidos”, o MES lança-se em uma nova “aventura”, iniciando uma avaliação das instituições que formam na área da pedagogia. Espera-se que, nesta caso, os resultados sejam transparentes e sirvam para justificar os custos da iniciativa.

A falta de transparência por parte do MES gera críticas da comunidade académica, que questiona o uso dos recursos públicos e a efetividade das políticas públicas para o ensino superior. A divulgação dos resultados da avaliação das instituições de saúde é vista como essencial para o aprimoramento da qualidade da formação médica no país.